Economia

Dólar fecha em leve alta em dia de agenda fraca

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Dólar fecha em leve alta em dia de agenda fraca
fonte: Foto: arquivo
Dólar fecha em leve alta em dia de agenda fraca

O dólar fechou em leve alta nesta segunda-feira, 12, em um dia de agenda fraca, no qual a moeda não se distanciou muito da estabilidade. O comportamento ficou em linha com o desempenho da divisa norte-americana no exterior, onde as preocupações com a Ucrânia continuam inspirando cautela.

O dólar à vista no balcão terminou a sessão cotado a R$ 2,2190, uma alta de 0,09%. O giro, no entanto, era fraco, próximo de US$ 887,98 milhões por volta das 16h30, segundo dados da clearing de câmbio da BM&FBovespa. No mercado futuro, o dólar para junho avançava 0,22%, a R$ 2,2315. O volume de negociação era de quase US$ 8,61 bilhões.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) informou hoje, a balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 226 milhões nas duas primeiras semanas de maio (até dia 11). No ano, o déficit acumulado é de US$ 5,340 bilhões, resultado de exportações de US$ 75,536 bilhões e importações de US$ 80,876 bilhões.

A crise na Ucrânia se mantém no radar, mas declarações do presidente da Rússia. As regiões de Donetsk e Luhansk declararam independência hoje, após referendos no fim de semana. A Rússia deu um aval informal e pediu uma "implementação civilizada" dos projetos de secessão, mas a comunidade internacional não reconhece a legitimidade do processo e a União Europeia anunciou nesta manhã a ampliação das sanções contra os separatistas ucranianos.

Na China, na sexta-feira, 9, quando os mercados asiáticos já estavam fechados, o Conselho Estatal prometeu estimular o investimento de capital no exterior e de estrangeiros para o mercado doméstico. Além disso, a liderança chinesa também afirmou que aumentará a abertura do mercado do país como parte de uma ampla série de reformas. Hoje, o presidente da China, Xi Jinping, disse ao país para se acostumar com um crescimento econômico mais lento. "Nós precisamos melhorar nossa confiança, nos adaptar à nova condição normal baseada nas características do crescimento econômico da China na atual fase e permanecer com a cabeça fria", afirmou, segundo a agência estatal Xinhua.

continua após publicidade