Economia

País segue como 4º maior mercado mundial de veículos

Da Redação ·
 Mesmo com duas quedas o Brasil conseguiu manter-se como quarto maior
fonte: googleimagens.com
Mesmo com duas quedas o Brasil conseguiu manter-se como quarto maior

Mesmo com duas quedas seguidas de vendas, em abril e maio, o Brasil conseguiu manter-se como quarto maior mercado mundial de automóveis, atrás de China, Estados Unidos e Japão. O País vendeu, nos primeiros cinco meses do ano, 1,316 milhão de veículos, enquanto a Alemanha, que até o ano passado ocupava o posto, vendeu 1,18 milhão. A aposta de analistas é de que o Brasil vai segurar sua posição no ranking mundial durante o ano.

continua após publicidade

O mercado brasileiro vinha num ritmo de vendas acelerado durante todo o ano de 2009 e no primeiro trimestre deste ano, que fechou com o recorde mensal de 353,7 mil veículos vendidos em março, incluindo caminhões e ônibus. Nesse período, o consumo foi beneficiado pela redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que voltou a ser cobrado integralmente em abril.

continua após publicidade

No primeiro mês sem desconto no IPI, as vendas caíram 21,5%, para 277,8 mil unidades. Em maio, houve nova queda de quase 10%, para 251,1 mil veículos. No acumulado do ano, entretanto, o resultado é o melhor obtido para esse período. A projeção das fabricantes é de encerrar 2010 com 3,4 milhões de veículos vendidos, 8% a mais do que no ano passado. Esse volume, se confirmado, deverá assegurar o posto de quarto maior mercado global de veículos, uma posição à frente da obtida no ano passado. As previsões de analistas apontam que as vendas na Alemanha continuarão em queda. Uma vez conquistado o quarto lugar no ranking dificilmente o Brasil avançará mais.

A China, líder da lista, vendeu de janeiro a maio 5,4 milhões de veículos e os Estados Unidos, que começam a se recuperar da crise, venderam 4,6 milhões, segundo dados preliminares. O Japão, terceiro colocado, acumula até agora 2,08 milhões de veículos comercializados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.