Economia

Ministro admite que internet será "deficiente" em seis estádios da Copa

Da Redação ·
Segundo ele, as teles ainda não foram autorizadas por seis estádios a instalar as antenas extras para o funcionamento da internet wi-fi na área interna das arenas
fonte: Foto: Arquivo
Segundo ele, as teles ainda não foram autorizadas por seis estádios a instalar as antenas extras para o funcionamento da internet wi-fi na área interna das arenas

O ministro Paulo Bernardo (Comunicações) disse hoje que a internet não deve funcionar adequadamente em metade dos estádios que receberão os jogos da Copa do Mundo.

Segundo ele, as teles ainda não foram autorizadas por seis estádios a instalar as antenas extras para o funcionamento da internet wi-fi na área interna das arenas e que, sem elas, a rede não conseguirá dar vazão a demanda dos torcedores.

"Posso estar sendo muito pessimista, mas mesmo que façam agora o acordo para instalação [entre estádios e teles] dificilmente vai dar tempo de fazer um serviço de boa qualidade", afirmou o ministro.

Na lista dos estádios que não terão acesso suficiente à internet, o ministro citou o Itaquerão, em São Paulo, que será palco da abertura dos jogos. Além dele, a Arena da Baixada em Curitiba e o Mineirão em Belo Horizonte.

O ministro disse que não tinha em mãos, no momento da entrevista, a relação completa dos estádios que serão afetados.

"É muito difícil quando os administradores não concordam, porque não podemos obrigá-los a fazer, mas isso daria uma condição melhor de qualidade. Então vai ficar deficiente o serviço do ponto de vista de dados nesses estádios", completou.

Paulo Bernardo defendeu que a instalação de antenas para atender a demanda de aparelhos móveis nas cidades-sede dos jogos da Copa era uma obrigação imposta às teles e que o serviço está sendo feito. As empresas terão até maio para concluir esses trabalhos.

Já o reforço do sinal dentro dos estádios, por outro lado, não era uma obrigação. "Nós temos também o compromisso de fazer a transmissão dos jogos pela televisão e isso esta praticamente pronto, equacionado", destacou Paulo Bernardo.

continua após publicidade