Economia

Companhia de Piracicaba é eleita uma das mais inovadoras do mundo

Da Redação ·

Por Bárbara Libório SÃO PAULO, SP, 27 de agosto (Folhapress) - O Fórum Econômico Mundial anunciou hoje, em Nova York, uma lista com as empresas que considera ser as 36 mais inovadoras do mundo. A brasileira Bug Agentes Biológicos, companhia que controla pragas em lavouras de agriculta com o uso de insetos, aparece na lista. O prêmio Pioneiros da Tecnologia reconhece corporações pelo seu potencial de transformar o futuro da sociedade e dos negócios. É a primeira vez que uma empresa da América Latina é premiada. A empresa já ganhou outros dois prêmios internacionais em 2012: foi eleita a empresa mais inovadora do Brasil pela revista norte-americana "Fast Company", e foi premiada na área de sustentabilidade com o World Technology Award, promovido nos Estados Unidos. Segundo o relatório do fórum, a biotecnologia usada pela Bug para acabar com as pragas é uma alternativa mais "amiga do ambiente" se comparada ao uso de agrotóxicos e outros produtos químicos. "Esse prêmio é diferente. O fórum enxergou na Bug uma empresa que está fazendo algo diferente para mudar a questão da contaminação de alimentos e tudo que ela envolve", diz Diogo Carvalho, 33, sócio-fundador da empresa. Os campeões do prêmio permanecem por cinco anos entre os pioneiros, para trocar experiências globais e ajudar outros membros do fórum a entender melhor como os negócios e a sociedade estão se transformando. "Além de levar o nome da empresa, o prêmio dá mais credibilidade ao controle biológico de pragas. O produtor tem mais segurança para acreditar na nossa tecnologia e procurar nosso trabalho", diz Carvalho. O Negócios A empresa produz insetos para controle de pragas desde 2000, quando iniciou sua trajetória na incubadora da Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), em Piracicaba. Os parasitoides -no caso, vespas- agem nos ovos de pragas antes que as larvas se tornem lagartas. Os insetos protegem culturas milho, soja, feijão e cana-de-açúcar. "Com a proibição da Anvisa a alguns lotes de inseticidas, e com a grande resistência de insetos a produtos químicos, a demanda nos últimos três anos cresceu muito", afirma Carvalho. A empresa também está expandindo seus negócios. Os insetos produzidos e comercializados pela companhia estão ajudando a combater uma nova praga que tem causado prejuízo Estados como Bahia e Goiás. Para a liberação dos insetos nas plantações, o agricultor paga cerca de R$ 30 por hectare. "Estamos expandindo para atender o crescimento das culturas de soja, milho, feijão e cana-de-açúcar", diz o empresário. Segundo ele, o mercado brasileiro está tão aquecido que a empresa não tem planos de exportar sua tecnologia. A companhia é administrada pelos seus dois sócios-fundadores -Carvalho e Heraldo Negri, 44-, o fundo de investimento Createc (parceria entre o BNDES e o Banco do Nordeste) e a empresa de participação Trigger.  

continua após publicidade