Economia

Norte-americanos vêm ao Brasil em busca de mercado

Da Redação ·

Um grupo de 130 empresários americanos se reuniu ontem em um dos mais requintados hotéis de São Paulo. Atenta, a plateia ouviu vários especialistas para aprender tudo sobre o Brasil: setores com mais oportunidades, comportamento do consumidor, impostos e barreiras, logística, e até como não tomar calote. O objetivo era um só: "atacar" o mercado brasileiro. Junto com China e Índia, o Brasil se tornou um dos foco da estratégia do presidente Barack Obama para dobrar as exportações dos Estados Unidos em cinco anos. Com alta de 7% prevista para o Produto Interno Bruto este ano, o País está na mira de novos negócios dos países ricos.

continua após publicidade

"O Brasil é prioridade na nossa estratégia de exportações", disse o embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Thomas Shannon. "Obviamente China e Índia são muito atrativas. Mas, no curto prazo, as oportunidades são maiores no Brasil, por causa da Copa e das Olimpíadas." A missão de promoção de exportações que começou ontem é a maior já organizada pelos EUA. Eventos parecidos ocorreram na Polônia e na Turquia, mas reuniram menos empresários. Muitos setores estão na mira dos americanos, com destaque para petróleo, gás, energia renovável, farmacêutico e cosméticos.

continua após publicidade

Segundo funcionários do governo, a missão é um "primeiro passo" na ofensiva ao mercado brasileiro. Desde o início do governo Obama, nove secretários (equivalente a ministros) estiveram no Brasil, incluindo o titular do Departamento de Comércio, Gary Locke. Na semana que vem, o subsecretário de comércio internacional, Francisco Sanchez, desembarca em Brasília. Uma missão empresarial do setor de defesa chegará em setembro. E o governo americano quer levar mil empresários brasileiros aos EUA para conhecer os produtos.

Se a ofensiva americana funcionar e o Brasil não conseguir aumentar suas exportações, o resultado pode ser uma piora do saldo com os Estados Unidos. No ano passado, o País registrou déficit de US$ 4,4 bilhões com os EUA, o primeiro desde 1999. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.