Economia

Cai 2% o número de consumidores com dívida em atraso, diz Boa Vista

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 10 de julho (Folhapress) - O número de consumidores com parcelas de dívidas atrasadas (inadimplentes) caiu 2,4% no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2012. A variação foi apontada pela Boa Vista Serviços, empresa que administra o SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O cálculo desconta os efeitos sazonais. De acordo com a administradora, a queda mantém uma tendência iniciada no fim do ano passado. Os motivos, segundo a empresa, seriam as melhores condições de crédito no país, o aumento da renda da população e os baixos níveis de desemprego. A Boa Vista afirma, ainda, que a tendência de queda nos níveis de inadimplência deve se manter, e o país deve encerrar este ano com números levemente inferiores aos de 2012. Na comparação dos últimos 12 meses (de julho de 2012 a junho deste ano), a queda foi de 1,3%. Comparando-se apenas o mês de junho ao anterior a queda é menor, de 0,8%. O valor médio das dívidas incluídas em junho foi de R$ 1.416, número 3,28% maior que o observado em maio. Regiões Na comparação por regiões, somente no Nordeste não houve queda no número de inadimplentes. Na região a taxa se manteve estável na comparação mensal. A maior queda foi verificada n a região Sul, com uma diminuição de 2,5% em junho ante maio. Nas regiões Centro-Oeste, Norte e Sudeste, as quedas foram, respectivamente, de 1,2%, de 0,9% e de 0,6% no mesmo período. Na avaliação do primeiro semestre deste ano ante o mesmo período de 2012, as regiões Nordeste e Norte apresentaram elevação no número de inadimplentes de 4,5% e 1,9%, respectivamente. No mesmo período, tiveram queda as regiões Sul (4,5%), Sudeste (4,2%) e Centro-Oeste (1,9%). Varejo Ao considerar somente o setor de varejo, o resultado do primeiro semestre não foi positivo. Houve avanço de 1,3% no número de inadimplente no período em relação aos seis primeiros meses de 2012. Na comparação entre junho e maio, houve queda de 2,4%.  

continua após publicidade