Economia

SP puxa emprego industrial para baixo, mas aumenta horas extras

Da Redação ·





Por Pedro Soares

RIO DE JANEIRO, RJ, 10 de julho (Folhapress) - Maior parque fabril do país, São Paulo puxou o emprego da indústria para baixo em maio. Ao mesmo tempo, porém, surgiram dos dados do Estado sinais de alguma melhora no futuro, sinalizada pelo avanço do número de horas extras contratadas pelas empresas paulistas.

O emprego no Estado caiu 0,7% em maio representou o segundo principal impacto negativo na indústria geral -a retração do pessoal ocupado ficou em 0,7% na comparação com maio de 2012. Só ficou atrás da região Nordeste, com queda de 3,2%.

Os setores que proporcionalmente demitiram mais em São Paulo e contribuíram de modo mais intenso para a perda no Estado foram os de máquinas e equipamentos (com foco em produtos da linha branca, cuja desoneração tributária foi reduzida), calçados (ramo intensivo em mão de obra) e meios de transporte (inclui indústria automobilística, que também demitiu).

Para Rodrigo Lobo, economista do IBGE, São Paulo "emitiu sinais trocados", ao apontar para uma melhora nos próximos meses. Isso porque a indústrias paulistas demandaram mais horas extras e houve crescimento de 0,9% no indicador de horas pagas na comparação com maio de 2012. Na média nacional, houve queda de 0,7%.

"Esse indicador é antecedente de futuras contratações e indica que pode haver um arrefecimento da queda do emprego em São Paulo ou até mesmo uma retomada das contratações."

Ainda assim, a indústria paulista completou, em maio, 20 meses consecutivos de retração do emprego na comparação com o mesmo mês do ano anterior -igual marca foi registrada pela indústria geral.

Em maio, o desempenho negativo se explica pela forte queda da produção, segundo Lobo. Na comparação com abril, a indústria teve retração de 2%.

"O emprego vinha num ritmo de estabilidade e os empresários seguraram as demissões diante da produção que se mantinha em alta, mas não foi possível segurar em maio em razão da forte queda da produção", disse.
 

continua após publicidade