Economia

Para FMI, protestos não mudam projeções para o Brasil

Da Redação ·
O Fundo Monetário Internacional (FMI) não vê necessidade de reavaliar suas previsões macroeconômicas para países como Brasil e Turquia em função das recentes manifestações populares nas ruas, afirma o economista da instituição, Thomas Helbling, em entrevista à imprensa. No caso brasileiro, ele destaca que parte da insatisfação foi por causa de serviços públicos caros e ineficientes e que a presidente Dilma Rousseff está procurando soluções para estas e outras questões. Na Turquia, a questão é diferente, com motivações mais políticas, mas também não houve impacto nas projeções econômicas para o país, disse Helbling em resposta a questionamentos de jornalistas sobre o impacto das manifestações na atividade econômica. O FMI anunciou nova revisão para baixo da projeção de crescimento para a economia brasileira em 2013 e 2014. A instituição prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresça 2,5% este ano, ante expectativa de alta de 3% divulgada na reunião de primavera do Fundo, em meados de abril. Para 2014, a revisão para baixo foi ainda maior. Em abril, a expectativa era de que o Brasil fosse crescer 4,0% no ano que vem. No relatório de hoje, o número caiu para 3,2%. As novas previsões fazem parte de um relatório divulgado nesta terça-feira pelo FMI que atualiza as projeções para a economia mundial.
continua após publicidade