Economia

Após fim de ultimato, presidente e Exército acirram impasse

Da Redação ·





Por Diogo Bercito

JERUSALÉM, 3 de julho (Folhapress) - Terminou às 17h locais (12h em Brasília) de hoje o ultimato dado pelo Exército do Egito ao presidente Mohammed Mursi, vinculado à Irmandade Muçulmana.

Passado o prazo, porém, a situação do país permanece incógnita. Tanto as Forças Armadas quanto o governo afirmam estar dispostos a insistir em suas posições, e não está claro o cenário futuro.

Na praça Tahrir, no Cairo, uma multidão celebra ruidosamente como se Mursi houvesse sido derrubado -tal como o foi o ex-ditador Hosni Mubarak, na Primavera Árabe de 2011.

Em Nasr City, porém, simpatizantes do presidente islamita afirmam que tal resultado é impossível e que, caso o Exército tente intervir, irão resistir. Em quartéis-generais espalhados pela região, incluindo uma espécie de fortaleza informal na mesquita de Rubia al-Adawwiya, os islâmicos dizem estar dispostos a ir até o martírio.

Mais cedo, o Ministério do Interior havia emitido comunicado se alinhando com o Exército e isolando ainda mais o governo Mursi. Nestes últimos dias, diversos membros de seu gabinete renunciaram, incluindo seu chanceler.

Em entrevista coletiva em Nasr City, o vice-presidente do braço político da Irmandade Muçulmana Essam el-Erian defendeu a legitimidade do governo de Mursi.

Os simpatizantes do governo notam que, por ter sido eleito democraticamente, o islamita deve permanecer no poder e concluir seu mandato. "A vontade do povo foi expressa", diz El-Erian. "Nosso governo é baseado na maioria. Nós somos a revolução, e estamos protegendo a liberdade."

Diante do clube da Guarda Republicana, porém, opositores manifestavam-se com pensamento oposto, notando que é direito democrático do povo derrubar um governante que não satisfaça suas demandas.

"Ele mentiu. Agora tem de deixar esse país", diz Nael Salahadin, 47. "Queremos que o Exército tome o poder por um período curto e, depois, que tenhamos eleições livres."
 

continua após publicidade