Economia

Santander vai despejar R$ 20 bi para pequena e média empresa no Brasil

Da Redação ·





Por Toni Sciarretta, Enviado especial

SANTANDER, ESPANHA, 27 de junho (Folhapress) - O Banco Santander decidiu separar cerca de R$ 20 bilhões para financiar pequenas e médias empresas nos próximos três anos no Brasil. O banco pretender crescer em ritmo 50% acima dos demais bancos no segmento, que é um dos mais carentes de crédito e particularmente sensível aos momentos de desaceleração da economia como o atual.

Segundo Jesús Zabalza, novo presidente do banco espanhol no Brasil, se os demais bancos crescerem 10% ao ano no segmento, o Santander deverá expandir em 15%.

Hoje, os empréstimos para pequenas e médias empresas somam R$ 34 bilhões e podem bater R$ 54 bilhões até 2016, afirmou Zabalza.

"O Brasil tem um potencial enorme de crescimento nas pequenas e médias empresas. Vemos uma oportunidade de ajudar na melhora da gestão e na formalização dessas empresas", disse. A estratégia faz parte de um reposicionamento da filial brasileira do Santander, maior banco da zona euro, que desde que comprou o rival banco Real em 2007 é criticado pelos analistas por não ter elevado sua participação de mercado no crédito nem rentabilizar o capital investido pelos acionistas.

O banco captou R$ 13 bilhões com a venda de suas ações na Bolsa em 2009 e até hoje tem um dos maiores caixas do setor financeiro.

O banco tem entre 8% e 9% do crédito brasileiro e tem como objetivo passar de 10% nesse período.

América Latina

Nos demais países da América Latina, o banco espanhol também tem metas ousadas de crescimento no financiamento das pequenas e médias empresas. Para a região, o banco fez um orçamento para aplicar US$ 20 bilhões em empréstimos para o segmento até 2016.

Segundo Zabalza, o crédito no México e na Argentina ainda é pequeno em relação ao Brasil, que iniciou o ciclo de expansão dos empréstimos primeiro. "Não é verdade que o Brasil tem perspectivas piores do que os demais países da América Latina. É que o crédito cresceu antes e está mais maduro", disse.

Em crise na Espanha, onde teve de fazer provisões crescentes para inadimplência, o Santander busca expandir suas operações na América Latina e no Brasil. Sozinho, o Brasil responde por 26% do lucro do grupo no mundo, à frente da Espanha que contribuiu apenas com 12% no primeiro trimestre.



(*) O jornalista Toni Sciarretta viajou a convite do banco Santander
 

continua após publicidade