Economia

Usina-PA - (Atualizada)

Da Redação ·

Índios que invadiram Belo Monte rejeitam carta de ministro Por Mário Bittencourt SÃO PAULO, SP, 29 de maio (Folhapress) - Os cerca de 140 índios que mantêm invadida desde segunda-feira (27) a obra da usina hidrelétrica de Belo Monte (PA) se recusaram hoje a receber uma carta enviada pelo ministro Gilberto Carvalho (Secretaria Geral da Presidência) e resolveram permanecer no local. O prazo dado pela Justiça para que os indígenas deixassem a área, sob pena de multa diária de R$ 50 mil aos índios e à Funai (Fundação Nacional do Índio) em caso de descumprimento, venceu às 16h de hoje. A chefe do escritório da Secretaria Geral da Presidência em Altamira, Cleide Souza, disse que os índios pediram primeiro para ver uma carta escrita de Carvalho, mas quando o documento chegou houve a recusa. "Fizemos proposta de o ministro Gilberto Carvalho recebê-los [grupo de 20 índios], na próxima quinta-feira [4], no Palácio do Planalto, e eles se recusaram a receber [a carta]", disse Souza. Uma das lideranças indígenas, Valdemir Munduruku, 33, disse que eles não quiseram ver a carta porque ela não trazia novidade com relação as demandas dos índios. "É a mesma coisa de sempre", disse. Os índios reivindicam a suspensão de todos os estudos e construções de barragens no país que impactem terras indígenas e a regulamentação da consulta prévia a índios nesses casos. Eles dizem que só deixam o local se o ministro Gilberto Carvalho ou a presidente Dilma Rousseff comparecer ao protesto. Os manifestantes negaram ter tomado cinco ônibus usados para transportar trabalhadores da obra, como informou ontem o CCBM (Consórcio Construtor de Belo Monte), responsável pela construção da usina. "Isso é mentira da empresa. Se fosse para tomar ônibus, tínhamos tomado mais de cinco. O que ocorreu foi só um ônibus que chegou na porta e não deixamos passar, e ele ficou atravessado na porta do canteiro", afirmou Valdemir. O CCBM também afirmou que os invasores haviam tomado "dezenas de rádio de comunicação das equipes de segurança". "Pegamos os rádios porque o pessoal deixou lá nas cabines, mas depois eles cortaram a comunicação e nós os deixamos lá, não os danificamos", disse Valdemir.  

continua após publicidade