Economia

Banco-Balanço - (Atualizada)

Da Redação ·

BB mantém lucro estável apesar de forte crescimento no crédito




Por Toni Sciarretta e Anderson Figo

SÃO PAULO, SP, 14 de maio (Folhapress) - Maior banco brasileiro e indutor da política de redução de juros do governo Dilma, o Banco do Brasil teve lucro líquido de R$ 2,56 bilhões, resultado 2,2% maior do que no mesmo período do ano passado.

O crescimento tímido de 2,2% do lucro do BB contrasta com a forte expansão anual de 25,7% nos financiamentos, totalizando R$ 592,7 bilhões ao final de março deste ano. O banco só perdeu para a Caixa, que aumento de 43% nos empréstimos em 12 meses.

A explicação se deve a margens mais apertadas de ganhos com os empréstimos, medidos pelos chamados spreads -diferença entre a taxa que o banco paga para o depositante e aquela que empresta ao cliente. O spread médio do banco caiu de 8,9 ponto percentual para 7,6 ponto entre o primeiro trimestre de 2012 e o mesmo período do ano passado.

Segundo Alexandre Abreu, vice-presidente de crédito do BB, as taxas de juros recuaram cerca de 30% na comparação com o primeiro trimestre de 2012.

A chamada margem financeira bruta, que mede quanto o banco ganha com empréstimos, teve crescimento de apenas 1,7% na comparação com o primeiro trimestre de 2012.

"Conseguimos manter os ganhos porque houve um aumento importante de volume, redução na inadimplência e controle das despesas administrativas", disse Ivan Monteiro, vice-presidente de Finanças do banco.

A inadimplência média do banco está em 2,0%, menor do que os 3,6% do sistema financeiro como um todo. Sem contar o Banco Votorantim, a inadimplência é ainda menor: 1,74%. Um ano atrás, os calotes estavam em 2,05% (1,77% sem o Votorantim).

Por conta disso, o banco conseguiu reduzir as despesas com provisões para calotes em 8,3% na comparação anual, passando de R$ 3,44 bilhões para R$ 3,23 bilhões. Segundo o BB, esse desempenho é reflexo do crescimento da carteira em linhas de crédito com menor risco, tais como, crédito consignado, financiamento de veículos e crédito imobiliário.

Lucro

Apesar de ter sido o maior lucro entre os bancos públicos de janeiro a março deste ano, a cifra é menor que os ganhos registrados por Itaú Unibanco (R$ 3,47 bilhões) e Bradesco (R$ 2,92 bilhões) no período.

O lucro líquido ajustado do BB, que exclui itens não recorrentes, ficou em R$ 2,685 bilhões no primeiro trimestre de 2013, queda de 0,7% na comparação anual. Analistas consultados pelo "Valor" e pela "Reuters" esperavam que a cifra fosse de R$ 2,7 bilhões.
 

continua após publicidade