Economia

Banco do Brasil tem lucro de R$ 2,557 bilhões no 1º trimestre

Da Redação ·
Banco do Brasil tem lucro de R$ 2,557 bilhões no 1º trimestre
fonte: www.taguatingashopping.com.br - Google
Banco do Brasil tem lucro de R$ 2,557 bilhões no 1º trimestre

O Banco do Brasil registrou lucro líquido contábil de R$ 2,557 bilhões no primeiro trimestre, com alta de 2,2% sobre o mesmo período do ano passado, informou nesta quarta-feira (15) a instituição financeira.

continua após publicidade

Considerando o resultado ajustado, a instituição teve desempenho em linha com o esperado e lucrou R$ 2,685 bilhões, uma queda de 0,7% sobre o igual período de 2012.

"O resultado no trimestre foi impulsionado principalmente pela expansão dos negócios, ampliação do relacionamento com clientes e contenção das despesas. O indicador de inadimplência do BB acima de 90 dias apresentou queda e permaneceu abaixo do apresentado pelo Sistema Financeiro Nacional (SFN)", diz o banco, no relatório de divulgação dos resultado. A taxa de inadimplência acima de 90 dias caiu para 2% no primeiro trimestre, ante 2,2% no mesmo período do ano passado.

continua após publicidade

Em linha com o esperado
De acordo com o Valor Online, o resultado veio em linha com o esperado, pois analistas consultados pelo Valor esperavam lucro de R$ 2,7 bilhões, estável em relação ao mesmo período de 2012.

A expectativa era de que, apesar de apresentar uma expansão do crédito bastante superior aos pares privados, resultados do fundo de pensão de seus funcionários (Previ) poderiam trazer um impacto negativo.

Desconsiderando a Previ, o lucro líquido contábil do banco cresceu 7,8% e alcançou R$ 2,445 bilhões de janeiro a março e o lucro líquido ajustado ficou em R$ 2,6 bilhões, aumento de 4,2% em relação ao mesmo período de 2012.

continua após publicidade

Crédito
A carteira de crédito ampliada atingiu R$ 592,7 bilhões, após crescer 25,6% em 12 meses e 2,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.

O destaque foi o portfólio para empresas, com expansão de 32,7% em 12 meses, enquanto para as famílias o aumento foi de 26,3%, desconsiderando as operações provenientes do Banco Votorantim e de carteiras adquiridas.

As informações são do G1.com