Economia

Estatal fará emissão de US$ 11 bi em títulos no exterior

Da Redação ·

Por Denise Luna RIO DE JANEIRO, RJ, 13 de maio (Folhapress) - A Petrobras anuncia hoje, após o fechamento do mercado, a maior emissão de bonds (títulos de renda fixa) de um país emergente e a quinta maior na história, no valor de US$ 11 bilhões, informou uma fonte ligada ao assunto. Participam da operação os bancos brasileiros Itaú e Banco do Brasil, além de Bank of America, Citigroup Inc., HSBC Holdings Plc, JPMorgan Chase & Co. e Morgan Stanley. Segundo a fonte, que pediu para não ser identificada, a precificação da emissão (quanto custará a dívida para a Petrobras) ainda não está definida -o que deverá ocorrer até o fim do dia. O prazo da emissão será de três a 30 anos e será feita em dólar. Os recursos fazem parte de uma captação de US$ 20 bilhões, já anunciada pela empresa em abril deste ano, que tem por objetivo ajudar a cumprir o investimento de US$ 236,5 bilhões do plano 2013-2017 da companhia. Para 2013, a previsão é de que sejam investidos R$ 97 bilhões. No fim de abril, o diretor financeiro da estatal, Almir Barbassa, disse que a Petrobras já tinha captado US$ 7 bilhões neste ano, entre financiamentos de bancos internacionais e nacionais, entre eles o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Nenhuma foi realizada no mercado de capitais. Até 2017, ano limite do atual plano de negócios, a empresa pretende captar US$ 61 bilhões -sendo que a maior parte será para pagar compromissos já feitos, resultando em uma captação líquida de US$ 22 bilhões. Dificuldades Os US$ 20 bilhões de captação previstos para o ano estão 20% abaixo dos US$ 25 bilhões de 2012, mas 63% acima da média planejada para o período de cinco anos do plano de negócios, o que mostra as dificuldades da Petrobras ao tentar conciliar os planos conflitantes do governo, seu principal acionista. A receita da estatal está sendo pressionada por uma série de frentes: a produção da empresa no Brasil cai há 11 meses seguidos, e mesmo assim o governo tem se recusado a permitir que ela aumente os preços dos combustíveis, em linha com o mercado internacional. Essa política, combinada com o aumento da demanda brasileira por combustível e a limitada capacidade de refino da Petrobras, têm também pressionado o fluxo de caixa da empresa, forçando-a a captar mais dinheiro para cumprir seu pesado plano de investimento. Desinvestimento Um plano para reduzir a pressão sobre o caixa com a venda de ativos no Brasil e no exterior também tem enfrentado dificuldades, com a Petrobras reduzindo o retorno esperado com tais vendas de US$ 15 bilhões para US$ 9,9 bilhões. Em 2012, o nível de endividamento da empresa superou o limite interno de 2,5 vezes o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês). No segundo trimestre do ano passado, a empresa divulgou seu primeiro prejuízo em 13 anos. Em dezembro, a avaliação de crédito de grau de investimento da companhia foi colocada sob observação para possível corte.  

continua após publicidade