Economia

Paraná gera 23.197 empregos formais em março

Da Redação ·

O Paraná registrou nova alta na geração de empregos formais em março, com 23.197 contratações. O resultado, divulgado nesta quinta-feira (15) pelo Ministério do Trabalho, só é menor que o alcançado no mesmo mês de 2008, quando mais de 25 mil pessoas foram contratadas e o Estado alcançou recorde histórico na série do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Técnicos da Secretaria Estadual do Trabalho, Emprego e Promoção Social acreditam que a economia está recuperada da crise financeira mundial e preveem novo recorde.
 

continua após publicidade

“Pelos nossos cálculos e com base na comparação com os anos anteriores, teremos o melhor ano de geração de empregos formais da história. Para se ter uma ideia, março registrou mais que dobro de contratações do que o mesmo mês de 2007 e estamos em movimento crescente, com resultados positivos e muito significativos”, explicou Fernando Peppes, secretário em exercício do Trabalho, Emprego e Promoção Social. “Nossos empresários estão otimistas e nossa economia segue fortalecida, com ajuda das políticas públicas, como isenção e redução de ICMS para micro e pequenas empresas, maiores salários e melhor distribuição de renda.”
 

Os números deste primeiro trimestre chegam a 50.818 contratações e se aproximam da marca histórica alcançada em 2008, quando foram abertos 52.132 novos postos de trabalho entre janeiro e março. Em 2009, o resultado do mesmo período foi de aproximadamente 13,9 mil empregos, quase quatro vezes menos.
 

continua após publicidade

Setores

A recuperação da indústria nos três primeiros meses do ano foi marcada pela criação de 17.235 vagas de trabalho, segundo o Caged. Destaque ficou para a produção de alimentos e bebidas, que empregou 3.471 pessoas, e para a fabricação têxtil e de vestuário, com 2.514 contratações. Também contribuíram para o bom desempenho paranaense as atividades industriais ligadas a madeira e mobiliário (2.271 empregos); metalurgia (1.978); borracha, fumos e couro (1.616); e produtos químicos e farmacêuticos (1.490).
 

O setor de serviços foi o que mais contratou, com 19.393 novos funcionários. Somente as atividades relacionadas a administração de imóveis abriram 9.071 postos de trabalho. No comércio foram 4.160 vagas abertas. A construção civil apresentou a maior variação de empregos, com relação ao número de empregados no mês de fevereiro, alta de 6,71%. Ao todo, foram 8.332 trabalhadores admitidos. Na agropecuária, 2.112 vagas foram abertas no último mês, mas, com as demissões causadas pela entressafra da cana-de-açúcar, o trimestre registra saldo de 1.395 empregos (número de contratações menos demissões).