Economia

Chuva atrasa colheita da cana e álcool sobe

Da Redação ·

A chuva da última semana foi apontada como a culpada pela falta de álcool no mercado. Com o campo molhado, a colheita do produto precisa ser suspensa, reduzindo a oferta do produto. No mercado, a falta do produto pressionou o preço que subiu 19% na usina, segundo as informações nacionais do setor. Na bomba, o aumento representa preços por volta de R$ 1,59, para o litro do etanol, frente aos R$ 1,29 encontrados em alguns postos de Curitiba nas semanas anteriores. Para o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Minerais do Paraná (Sindicombustíveis-PR), Roberto Fregonese, o reajuste é sazonal, mas preocupante. “A partir de 1º de maio a mistura da gasolina volta a ser de 25% e isso pode impactar ainda mais, uma vez que iremos ter uma demanda maior por álcool”, explica.

continua após publicidade

Esse aumento do álcool também pesou no preço final da gasolina. O álcool anidro que é usado para a mistura da gasolina passou de R$ 0,745 por litro para R$ 0,9746, segundo os dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo (USP). Fregonese cita ainda como causas o preço do açúcar no mercado internacional e a falta de estoques reguladores do mercado interno. Com o aumento do preço do produto no mercado internacional, os usineiros deverão dar preferência para a produção de açúcar. No Paraná, por exemplo, a produção dos canaviais será dividida em 55% de açúcar e 45% de álcool.