Economia

CNDL revê para cima alta nas vendas no Dia das Mães

Da Redação ·
Depois do forte resultado do primeiro trimestre do ano, a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) vai revisar para cima sua projeção de crescimento das vendas na semana que antecede o Dia das Mães, atualmente em 4%. Nesse mesmo período no ano passado, a alta foi de 4,40%. "No mínimo, vamos atingir essa marca de 2012. Vamos fazer a revisão pois não esperávamos um trimestre tão forte", disse o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Junior. Ele também disse que só fará a projeção para o resultado das vendas em 2013 depois dos dados de abril, pois o primeiro trimestre do ano costuma apresentar dados muito voláteis. Segundo ele, a projeção ainda não foi fechada, mas certamente será maior do que a expectativa de crescimento de 6% apresentada no fechamento do ano passado e que foi logo abandonada. "Os indicadores que temos já sinalizam que o resultado será superior a essa marca", disse Pellizzaro Junior. De acordo com ele, além do resultado do primeiro trimestre, também contribuirá para a atividade do setor o fato de, no segundo semestre, os feriados caírem quase todos nos finais de semana. "Para nós, é uma dádiva, pois produtos e serviços concorrem entre si porque o dinheiro do consumidor é um só", afirmou. "Foi-se o tempo que gravata competia com gravata. Hoje, serviços e comércio concorrem e o fato de os feriados serem em menor quantidade neste ano ajuda bastante." Inadimplência Pellizzaro Junior afirmou que a alta da inadimplência no primeiro trimestre deste ano é condizente com o aumento das vendas. "A inadimplência está em níveis aceitáveis", disse. A inadimplência subiu 10,58% no comércio varejista em março ante o mesmo mês do ano passado, segundo dados da CNDL. Pellizzaro disse, ainda, que a tendência é de que o varejo continue ganhando força durante o ano de 2013. "A alta das vendas no primeiro trimestre foi uma grata surpresa", afirmou. "Não esperávamos um número tão forte", falou, em referência à alta de 12,38% das vendas no varejo em março na comparação com o mesmo mês do ano passado. Pellizzaro avalia que a inadimplência deve permanecer em patamares aceitáveis durante todo o ano de 2013. "Não temos expectativas de que haja descontrole da inadimplência", disse. O que é considerado aceitável, segundo ele, é um crescimento proporcional ao aumento de vendas. "Quando você desassocia esses dois fatores, é quando você começa a ter problemas."
continua após publicidade