Economia

CNI: impacto da desoneração na indústria ainda demora

Da Redação ·
O impacto do conjunto das desonerações anunciadas pelo governo recentemente será sentido na indústria apenas mais à frente, conforme o gerente executivo de pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Renato da Fonseca. De acordo com ele, leva um tempo para o setor se adaptar às mudanças e incorporar os ganhos tributários em seus balanços. Da mesma forma, diz, o ciclo de redução da taxa básica de juros observada no ano passado também conta com um período de defasagem para os resultados do setor. "A desoneração não foi realizada para todos os setores ainda e as mais recentes foram mais para outras áreas, como serviços", afirmou. Na avaliação do economista, de qualquer forma, as ações são positivas. "As medidas estão na direção correta. Mas algumas dependem de um tempo maior para serem sentidas", considerou. Para ele, o Brasil ainda é um país caro para a produção e, comparativamente a outras nações, ainda conta com uma inflação elevada. "Nossos custos, só acompanhando a inflação, crescem mais do que os de nossos concorrentes", afirmou. Ele salientou que o aumento do limite do lucro presumido é uma demanda antiga para o setor e que as mudanças na área de infraestrutura são fundamentais. "O Brasil ainda está aprendendo como atrair investimentos privados", pontuou. Expansão A indústria deve registrar crescimento em 2013, mas os primeiros meses do ano ainda mostram volatilidade dos indicadores, na avaliação de Fonseca. Ele previu que o dado de capacidade instalada do setor deve aumentar em março depois da queda registrada em fevereiro, mas não será uma 'pancada' tão forte quanto a alta vista no primeiro mês do ano. "A indústria ainda tem dificuldade de retomada, mas a expectativa é de melhora no ano", disse. Ele salientou que a base dessa perspectiva mais positiva para o restante de 2013 é porque, geralmente, o início de todos os anos é mais fraco para o setor. Fonseca observou também que houve uma mudança para cima no dado de janeiro, que subiu de 84% para 84,5%, por causa não só da metodologia da dessazonalização, mas também porque às vezes a CNI inclui informações novas de empresas que não tinham sido apresentadas num primeiro momento.
continua após publicidade