Economia

Títulos protestados crescem 16%, apura a Boa Vista

Da Redação ·
O número de protestos de títulos no mês de março em relação ao mês de fevereiro deste ano aumentou 16%, somando-se os protestos de pessoas físicas e jurídicas, de acordo com dados da Boa Vista Serviços, administradora do SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), divulgados nesta terça-feira. Para as empresas, a expansão foi de 10,3% e para as pessoas físicas, de 27,2%. No entanto, ao observar o acumulado do primeiro trimestre ante os três primeiros meses no ano passado, houve uma redução no número de protestos de 7,1%. Para as famílias a queda foi de 7,5% e para as empresas, de 7,0%. De acordo com Flávio Calife, economista da Boa Vista Serviços, o resultado da expansão de março pode ser explicado por causa do maior número de dias em relação a fevereiro e também pela base mais baixa de comparação, já que o segundo mês deste ano apresentou uma queda de 24% nos protestos antes janeiro. "É sempre mais interessante olhar o número trimestral. Ele é mais significativo. E o que temos agora é uma tendência de redução do número de protestos neste início do ano", explica. Ele lembra que no primeiro trimestre do ano passado em relação aos primeiros três meses de 2011, o número de títulos protestados tinha crescido 11% e agora há uma queda de 7%. Segundo Calife, a redução em outros indicadores de inadimplência também tem apontado para essa tendência de declínio. "Algumas variáveis como a concessão de crédito um pouco mais restrita, a manutenção de juros menores com prazos relativamente maiores e o mercado de trabalho favorável corroboram para um cenário que deve se manter com queda nos indicadores da inadimplência", diz. A Boa Vista Serviços ainda não tem uma estimativa para o comportamento futuro do número de protestos de títulos, no entanto, Calife acredita que 2013 deve apresentar um cenário diferente do aumento de 4,3% do fechamento do ano passado. "Ainda não temos a dimensão dos cálculos dos protestos, mas creio em um número menor, podendo até ser negativo", diz. O valor médio dos títulos protestados para o mês de março deste ano foi de R$ 2.356,00. Para as pessoas físicas o valor correspondeu a R$ 1.878,00 e R$ 2.635,00 para as pessoas jurídicas. O maior valor médio dos títulos protestados em março foi na região Nordeste (R$ 3.008,00).
continua após publicidade