Economia

Pessoas físicas investiram R$ 506 bi em 2012, diz Anbima

Da Redação ·
Os 6,8 milhões de investidores pessoas físicas, que incluem os segmentos de varejo e alta renda, investiram R$ 506 bilhões no ano passado, montante 7,4% superior ao visto em 2011, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). As estatísticas são para fundos e tesouraria e não contemplam poupança e fundo de previdência. Esta cifra é, conforme a Associação, superior à alocação total em poupança, de R$ 496 bilhões, e em previdência, de R$ 338 bilhões. O patrimônio do varejo foi alavancado em 2012, segundo a Anbima, pela ascensão das classes B e C e também devido à ampliação do acesso desse público aos serviços financeiros. Em geral, conforme a Associação, os dados deste segmento retratam um perfil conservador dos investidores pessoas físicas, com maior preferência por liquidez e rentabilidade de curto prazo. "As aplicações são pouco diversificadas, em grande medida pela reduzida especialização desses clientes na gestão do seu portfólio, o que tende a se alterar com a maturação das iniciativas de educação ao investidor em curso", destaca a Anbima, no primeiro boletim que traz um raio X do segmento de varejo. Enquanto na poupança, que conta com 97 milhões de clientes, o investimento médio é de R$ 5,1 mil, no varejo (que inclui fundos e tesouraria), é de R$ 74,3 mil. Nas aplicações em fundos, os investidores de varejo aplicam mais em carteiras conservadoras como renda fixa e DI, respondendo por 49,9% e 30,5% do total, respectivamente. Apesar de elevado, o volume de recursos alocados em Fundos DI, assim como o número de clientes, recuou em 2012 ante o ano anterior. Em contrapartida, o segmento varejo alta renda tem maior direcionamento para aplicar em fundos multimercados e de ações.

"Essa queda (dos investimentos por pessoas físicas) sinaliza a busca por diversificação associada ao movimento de redução de juros", destaca a Anbima.

continua após publicidade