Economia

FMI contribuirá com 1 bilhão de euros no resgate financeiro a Chipre

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 3 de abril (Folhapress) - O FMI (Fundo Monetário Internacional) contribuirá com 1 bilhão de euros (R$ 2,6 bilhões) dos 10 bilhões de euros (R$ 26 bilhões) do resgate financeiro concedido a Chipre na semana passada. O resto dos recursos será fornecido pela União Europeia e o Banco Central Europeu.

A informação foi revelada hoje pela diretora-gerente do fundo, Christine Lagarde, após acordo com as autoridades cipriotas para a aplicação de medidas de austeridade. Ela espera que o financiamento seja aprovado pela diretoria do FMI no começo de maio.

"O pacote financeiro tem o objetivo de ajudar Chipre a cobrir suas necessidades financeiras, enquanto implementa as políticas necessárias para restaurar a saúde da economia e recuperar o acesso a financiamento no mercado de capital", disse.

O socorro financeiro foi pedido em março. Como primeira condição, o país foi obrigado a juntar 5,8 bilhões de euros (R$ 15 bilhões) de reservas. Para isso, decretou o confisco de todos os depósitos bancários superiores a 100 mil euros (R$ 260 mil) e pediu a reestruturação dos dois maiores bancos do país.

Agora, o grupo de credores, também conhecido como troika, concedeu cinco anos para a aplicação do ajuste fiscal, dois a mais que o previsto inicialmente.

Nesse período, o governo terá que aplicar medidas para reduzir a dívida pública e o deficit público para os parâmetros estabelecidos pelos credores. Dentre as restrições, estão a privatização de empresas públicas e mistas, cortes de gastos do governo e redução de salários de funcionários públicos.

O país terá 22 anos para pagar os bilhões de euros (R$ 26 bilhões), com juros de 2,5% ao ano.
 

continua após publicidade