Economia

Rato aparece em auditório durante entrevista coletiva

Da Redação ·

Por Renata Agostini BRASÍLIA, DF, 27 de março (Folhapress) - O discurso em tom pausado e cerimonioso do secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, foi interrompido de forma inesperada por gritos da plateia durante as explicações do governo sobre o frustrante resultado fiscal do mês passado. As contas do governo central -BC, Tesouro e Previdência- tiveram rombo de R$ 6,4 bilhões em fevereiro, o pior resultado já registrado para o mês (o valor desconsidera o pagamento de juros da dívida pública). Não eram vaias nem manifestações. Era um rato mesmo. Discreto, o animal passeava pela lateral do auditório principal do Ministério da Fazenda e observava o movimento. Sua paz terminou diante da comoção das jornalistas -a repórter incluída-, que constataram sua presença. Puro faro jornalístico, afinal o rato não devia ter mais de 10 cm e seu tom de pele, marrom claro, quase se confundia com o tom do carpete do auditório. Sua camuflagem, contudo, foi insuficiente. Espantou-se com os gritos, claro, e fugiu. Não se sabe exatamente por onde nem para onde. Não houve ninguém que se candidatasse a averiguar seu paradeiro.  

continua após publicidade