Economia

Mizuho tira executivos do UBS e reforça atuação na AL

Da Redação ·
A Mizuho Securities, corretora com sede em Nova York e que pertence ao grupo financeiro japonês Mizuho Financial Corporation, está reforçando suas operações na América Latina e contratou cinco executivos para a região, três deles vindos do UBS. No Brasil, o grupo ainda aguarda aprovação do Banco Central para assumir o controle do WestLB, comprado em junho do ano passado, de acordo com um comunicado do grupo. Novas contratações estão a caminho na região. Os cinco executivos contratados vão reforçar a área de vendas e de trading (transações) na América Latina. Allan Grauer, Sebastian Azumendi e Georges Fernandes vão cuidar do segmento de trading. Já Rod Eichler e Nestor Cybriwsky foram contratados para cuidar das vendas de produtos e papéis de renda fixa. Grauer, Azumendi, Eichler vieram do banco suíço UBS. Os dois primeiros estavam no banco desde 2009 e atuavam em papéis da América Latina. Já Eichler era diretor para renda fixa e derivativos de mercados emergentes e estava no banco desde 2010. "A presença da Mizuho na América Latina continuará a crescer com a aquisição do Banco West do Brasil", destaca o comunicado do grupo. "A aquisição irá aprimorar substancialmente a capacidade do Mizuho para dar suporte às atividades de negócios dos clientes no Brasil e em toda a região". O objetivo é atuar em segmentos como banco de investimento (assessorando fusões e aquisições e captações), empréstimos, derivativos e outros produtos de mercado de capital. O WestLB tinha ativos de US$ 1,5 bilhão no Brasil e 66 funcionários. Na época, o Mizuho não divulgou o valor da aquisição, mas falava-se em algo na casa dos US$ 380 milhões. Até então, o Mizuho só tinha um escritório de representação no país. No Japão, o grupo tem US$ 2 trilhões em ativos e é uma das maiores instituições financeiras do mundo. O Mizuho já vinha intensificando sua atuação na região. O banco, por exemplo, ajudou em setembro do ano passado o Banco do Brasil a captar no exterior com bônus denominados em iene e participou da oferta de ações de US$ 1 bilhão da rede de supermercados Cencosud do Chile.
continua após publicidade