Economia

Economia-Notas

Da Redação ·



Crédito da Nota Paulista não poderá ser liberado entre 1º e 15 de abril



SÃO PAULO, SP, 22 de março (Folhapress) - Consumidores que quiserem liberar créditos da Nota Fiscal Paulista acumulados no segundo semestre de 2012 só poderão fazê-lo neste ano após 15 de abril. Em outros anos, os créditos podiam ser liberados já no dia 1º do mês. Segundo a Secretaria Estadual da Fazenda, o sistema da Nota Fiscal Paulista ficará indisponível de 1º a 15 de abril para que seja processado o cancelamento dos créditos concedidos no início do programa, cujos primeiros saques foram disponibilizados em 1º de abril de 2008. Esses recursos têm validade de cinco anos e são perdidos caso não sejam transferidos para uma conta pessoal ou utilizados no abatimento de impostos. No período de indisponibilidade, também serão liberados os créditos acumulados no segundo semestre do ano passado. A transferência é feita pelo site do programa. Outras funcionalidades do site, como o registro de reclamações, cadastramento e a atualização de dados, continuarão acessíveis. Apenas a opção "Conta Corrente" ficará indisponível.



Preço das casas nos EUA sobe 0,6% em janeiro



SÃO PAULO, SP, 22 de março (Folhapress) - O preço das casas nos EUA subiu 0,6% em janeiro, após ajuste sazonal, divulgou a FHFA (Agência Federal de Financiamento Imobiliário, na tradução do inglês). Com o resultado, no acumulado de 12 meses encerrado em janeiro, a alta nos preços é de 6,5%. Desde janeiro do ano passado, os preços não apresentam queda. Em dezembro ante novembro, o crescimento foi de 0,5%, após revisão dos dados -a FHFA divulgara antes que a alta havia sido de 0,6%. Apesar das seguidas altas, o índice de preços ainda está 14,4% abaixo do pico encontrado em abril de 2007, antes da crise das hipotecas nos EUA. O preço das residências é calculado a partir de dados divulgados pelas agências de hipoteca americanas Fannie Mae e Freddie Mac sobre as vendas no país.



Custo de condomínio sofre leve queda em São Paulo em janeiro



SÃO PAULO, SP, 22 de março (Folhapress) - Os custos dos condomínios em São Paulo sofreram uma leve queda em janeiro, de 8,57% em relação a dezembro, informou a AABIC (Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo). Segundo a entidade, o indicador refletiu uma redução menos significativa do que em anos anteriores, ainda que tenha mantido a tendência de queda em relação às despesas de dezembro.

"O índice incorporou um aumento direto ocorrido nos custos de condomínio, o vale refeição, que passou a ser obrigatório aos funcionários a partir deste ano. Neste cenário, o custo médio de condomínio chegou ao valor de R$ 852, mantendo relativa estabilidade em relação ao valor registrado no mesmo período de 2012", informa a AABIC.

A redução de mais relevante de custos ocorreu nos itens de despesas com pessoal e encargos (15,73% e 7,10%, respectivamente). Influenciado pelo período de férias, o consumo de água (custo 9,59% menor) e energia (10,73% menos) manteve o movimento de redução do final do ano. De acordo com Omar Anauate, diretor de Condomínio da AABIC, a partir de 2013, os custos condominiais deverão manter-se em patamar mais elevado em relação às médias de anos anteriores.

"A negociação coletiva do dissídio da categoria em 2012 afetou diretamente as despesas dos condomínios com a folha de pagamento e benefícios. Em fevereiro, os custos de condomínio devem tender à estabilidade, podendo variar em decorrência do pagamento dos feriados trabalhados no final de ano pelos funcionários de condomínios", diz Anauate.
 

continua após publicidade