Economia

IPCA-15 desacelera em março, mas se aproxima do teto da meta

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 22 de março (Folhapress) - A prévia da inflação desacelerou pelo segundo mês seguido em março ao fechar em 0,49%, após atingir 0,68% em fevereiro, informou o IBGE hoje. Em janeiro, a variação havia sido de 0,88%. No período acumulado em 12 meses, contudo, o IPCA-15 alcançou 6,43% e se aproximou ainda mais do teto da meta de inflação, de 6,5%. A perda de fôlego nos reajustes ligados à educação foi a principal responsável pela variação menor do índice no mês. O item saiu de aumento de 5,49% no mês passado, para 0,5%. O alto nível de inflação tem reforçado as apostas do mercado de que o Banco Central deva optar por uma elevação dos juros nos próximos meses. O sentimento ganhou força após o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) ter ficado acima do esperado em fevereiro. Os analistas revisaram no início deste mês a projeção para a taxa Selic neste ano para 8% após mais de quatro meses prevendo os juros a 7,25%, nível atual e o mais baixo da história. Nesta semana, a previsão foi elevada para 8,25% depois de o Banco Central ter divulgada a ata da reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) -responsável pela decisão sobre os juros básicos- com destaque para a dispersão dos reajustes na economia, a resistência à queda e a inflação se acomodando em patamar mais elevado. No documento, a substituição do termo "estabilidade das condições por tempo prolongado" pela expressão "acompanhamento da evolução do cenário, para então definir os próximos passos da estratégia" também foi visto como um sinal de um iminente elevação da taxa.  

continua após publicidade