Economia

Valor mínimo para TED cai para R$ 1 mil

Da Redação ·
A partir de hoje, o valor mínimo para as operações de Transferência Eletrônica Disponível (TED) será reduzida de R$ 2 mil para R$ 1 mil. A TED é uma operação de transferência entre contas de clientes pessoas físicas ou jurídicas, entre bancos diferentes. O sistema foi criado em 2007 para dar transparência aos serviços bancários e permitir aos correntistas comparar as taxas cobradas pelos bancos para fazer as transações. O crédito entra na conta do destinatário no mesmo dia. Em outras formas de movimentação financeira, como o Documento de Crédito (DOC), é preciso aguardar pelo menos um dia para a conclusão da operação. Para transferências interbancárias abaixo de R$ 1 mil, os clientes ainda podem recorrer aos DOCs, que têm valor máximo limitado a R$ 5 mil por transação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. As tarifas cobradas na TED variam conforme a política comercial de cada banco. É possível fazer uma busca e comparar os valores cobrados pelo Sistema de Divulgação de Tarifas de Serviços Financeiros da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban). Segundo a Febraban, o valor mínimo para a TED é calculado para evitar que uma demanda em excesso sobrecarregue os sistemas de pagamento e de compensação das transações financeiras. Investimentos em tecnologia na rede de comunicações entre os bancos permitiram a redução sucessiva nos últimos anos. Em 2010, o limite caiu de R$ 5 mil para R$ 3 mil. Em 2012, foi reduzido para R$ 2 mil e agora passa para R$ 1 mil. A TED permite que os correntistas façam transferências sem sair de casa. "O cliente não precisa sacar dinheiro em espécie para fazer a transferência", diz Walter Faria, diretor adjunto de serviços da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). "Basta acessar o Internet Banking ou outros canais eletrônicos de autoatendimento para efetuar a operação", completa.

* Para acessar o Sistema de Divulgação de Tarifas de Serviços Financeiros, o site é o www.febraban-star.org.br As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

continua após publicidade