Economia

Oferta de escritórios de luxo cresce 60%

Da Redação ·
A euforia do mercado de locação de escritórios de alto padrão, registrada em 2012 em São Paulo, no Rio, em Brasília e em mais cinco capitais, deve se abrandar este ano. A maior oferta de lajes com mais de 500 metros quadrados em prédios sofisticados prevista para 2013, por causa do atraso nas entregas ocorrido em 2012 e dos lançamentos já previstos, deve enfraquecer o ritmo de alta dos preços e fazer com que a taxa de vacância suba, aponta um estudo da consultoria imobiliária Cushman & Wakefield. De acordo com o estudo, no ano passado foram entregues nas oito cidades pesquisadas 802 mil metros quadrados de escritórios de alto padrão, maior volume desde que a pesquisa começou a ser feita, em 2009, e 60% maior do que no ano anterior. A projeção da consultoria é que, somando os atrasos e os lançamentos programados, existam hoje 1,197 milhão de metros quadrados de lajes de escritórios em construção nas grandes capitais. Essa grande oferta deve abrandar a alta de preços e ampliar a vacância dos escritórios. "Já notamos desde o fim de 2012 uma maior flexibilização nas negociações de novos contratos de locação", afirma a gerente de pesquisa de mercado para a América do Sul da consultoria, Mariana Hanania. Essa maior flexibilização se traduz, por exemplo, em descontos no preço pedido e em maior período de carência, isto é, fase em que o proprietário deixa de cobrar o aluguel por causa de reformas. De acordo com a gerente, esse abrandamento nas condições do mercado de locação de escritórios reflete, por enquanto, a maior oferta de lajes e não captou ainda o impactos do menor ritmo de atividade da economia. Ela lembra que na crise de 2008/2009, as grandes multinacionais chegaram a reduzir as áreas locadas. Vacância O estudo mostra que o ano passado terminou com o maior índice de escritórios de alto padrão vagos em relação à oferta desde 2009, quando a pesquisa começou a ser feita. O indicador foi de 13,9% no 4º trimestre, ante 9,8% em igual período de 2011. Para este ano, a consultoria prevê que o índice de vacância atinja 20,9% entre outubro e dezembro. Os preços médios de locação pedidos em 2012 nas oito capitais ficaram praticamente estáveis em relação ao ano anterior no último trimestre. Em 2011, a média havia sido de R$ 80 por mês por metro quadrado e, em 2012, foi para R$ 80,9, entre outubro e dezembro. Mariana destaca, no entanto, que em mercados mais cobiçados, como São Paulo e Rio de Janeiro, os aumentos de preços foram significativos em 2012 e que a perspectiva é de que essa alta não se repita na mesma magnitude neste ano. Em São Paulo, por exemplo, o preço médio de locação subiu 27% em 2012 na comparação com 2011. Em um importante corredor de escritórios com o da Avenida Faria Lima, o preço pedido do metro quadrado para locação mensal foi de R$ 209. O estudo mostra que as regiões da Avenida Faria Lima e dos bairros do Itaim e da Vila Olímpia continuam sendo as mais procuradas no polo de escritórios de alto padrão e, portanto, têm o maiores preços pedidos da capital paulista. As regiões mais valorizadas para edifícios de alto padrão no Rio de Janeiro continuam sendo a zona sul, a orla e o centro, cujas médias mensais de preços de locação atingiram em 2012 R$ 273,2; R$ 186,1; e R$ 138,1 o metro quadrado, respectivamente. O preço médio da Cidade Nova foi de R$ 117 por metro quadrado ao mês. O estudo indica que a maior valorização nos preços de locação na cidade do Rio de Janeiro dos escritórios de alto padrão foi registrada no ano passado na zona sul, onde o aluguel subiu 43,2%, e na Cidade Nova, onde a alta foi de 33%. Mariana diz que, em 2012, todas as cidades registraram valorização nos preços de locação de escritórios de alto padrão, menos em Salvador e Porto Alegre, onde houve estabilidade. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.
continua após publicidade