Economia

Apple recorre da decisão que deu a Gradiente o registro do nome "iPhone"

Da Redação ·

Por Juliana Dal Piva RIO DE JANEIRO, RJ, 13 de fevereiro (Folhapress) - O Inpi (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) publicou hoje na Revista da Propriedade Intelectual a decisão já anunciada de que a Gradiente é a dona do uso exclusivo do nome iPhone para aparelhos celulares no Brasil. A novela, no entanto, está longe de acabar. O Inpi disse que a Apple já recorreu da decisão no próprio instituto pedindo a anulação do registro da Gradiente sob o argumento de "caducidade". De acordo com a Apple, a Gradiente não fez uso da marca em cinco anos. A Gradiente tem 60 dias para provar que usou o nome, caso contrário perderá o registro. A Gradiente solicitou o registro da marca "g grandiente iphone" em 2000, sete anos antes do lançamento do iPhone da Apple. O registro foi concedido em janeiro de 2008, e o prazo para o uso da marca venceria no mês passado - mas, em dezembro, a Gradiente anunciou o lançamento do seu iphone e garantiu a exclusividade do nome no Brasil. A empresa fundada por Steve Jobs fez o pedido de registro da marca iPhone em 2007. Com a concessão do nome à Gradiente, a Apple teve a solicitação negada. Segundo funcionários do Inpi, a decisão publicada na revista da entidade não tem influência sobre as vendas. Apenas uma decisão judicial demandada pela Gradiente poderia proibir a Apple de usar o nome da marca. Procurada, a Gradiente informou por meio de sua assessoria de imprensa que ainda não possui um posicionamento oficial sobre o caso. A Apple não retornou aos contatos da reportagem. Quando lançou seu primeiro iPhone, em 2007, a Apple passou pelo mesmo problema com a Cisco, detentora do nome nos Estados Unidos. À época, as empresas negociaram um acordo. Monitor ipad O caso é semelhante também ao da Proview, que forçou a Apple a pagar US$ 60 milhões pelo uso da marca "ipad" na China. Subsidiária da Proview, fabricante taiwanesa de telas LCD, a chinesa Proview Technology comercializava um monitor com o mesmo nome do tablet da Apple até 2009 no país. A Proview taiwanesa, que havia registrado a patente "ipad" em oito países em 2000, vendeu os direitos da marca para a Apple em 2006. Mas a Proview chinesa entrou na Justiça contra a Apple afirmando que, por se tratar de uma subsidiária independente da sede, o acordo não incluía a China. A empresa americana afirmava que o acerto era universal, mas aceitou pagar US$ 60 milhões para acabar com o processo judicial.  

continua após publicidade