Economia

Megaencomenda do governo faz Caterpillar suspender "layoff"

Da Redação ·

Por Alessandra Santos PIRACICABA, SP, 8 de fevereiro (Folhapress) - Megaencomenda do governo federal de máquinas para prefeituras de todo o país fez com que a Caterpillar antecipasse o retorno ao trabalho de 400 funcionários que estavam em "layoff" (com os contratos de trabalho suspensos) desde dezembro. O presidente da empresa, Luiz Carlos Calil, disse que 200 voltam à unidade de Piracicaba (SP) na próxima quarta-feira, dia 13, e os outros 200 no início de março. Antes, a empresa previa encerrar o "layoff" somente no mês de abril de 2013, em razão de uma queda de 15% no mercado nacional e dos estoques elevados. Em 2012, esse cenário fez com que a empresa organizasse um Plano de Demissão Voluntária. Houve 252 adesões. Outras 150 pessoas foram dispensadas no ano passado. "Layoff" e demissões levaram ao afastamento de 802 empregados. Ao todo, a empresa conta hoje com 5.700 funcionários. No período em que ficaram afastados, os 400 funcionários em "layoff" receberam do governo um pagamento correspondente a parte de seus salários e tiveram benefícios mantidos pela empresa -cesta básica, convênio médico e capacitação técnica. Calil disse que a antecipação da volta dos funcionários foi possível devido à encomenda que a Caterpillar recebeu de 1.500 motoniveladoras e 1.200 retroescavadeiras. Esses equipamentos serão distribuídos pelo governo federal às prefeituras de todo o país -o anúncio dessa medida foi feito no Encontro Nacional de Prefeitos, realizado em Brasília no fim do mês passado. As máquinas vão ser entregues de março a julho. O freio na produção desde o fim de 2012 fez com que os estoques da empresa fossem reduzidos entre 30% e 60% -dependendo do modelo da máquina. Investimento Sobre a política econômica e a crise na indústria pesada nos últimos anos, Calil foi evasivo. Elogiou as gestões do governo federal desde o tucano FHC, mas disse que se esgotou o modelo de crescimento baseado em consumo que marcou os dez anos petistas -dois mandatos de Lula e a metade do de Dilma. O presidente da Caterpillar defendeu o foco em elevar a taxa de investimentos, principalmente com novas obras de infraestrutura para o Brasil conseguir manter um patamar de crescimento anual da ordem de 4%, e afirmou ainda que o país dispõe de todas as condições para ser referência na exportação do setor de indústria pesada. Para isso, porém, o "câmbio ideal" deveria ser de R$ 2,20 por dólar norte-americano. Apesar da taxa ainda um tanto longe desse patamar no ano passado, a empresa exportou 3% mais em 2012 na comparação com 2011. A perspectiva de receitas da Caterpillar Brasil para 2013 está entre US$ 60 bilhões (R$ 118,3 bilhões) e US$ 68 bilhões (R$ 134,1 bilhões). Em 2012, o faturamento da empresa foi de US$ 65,835 bilhões (R$ 129,8 bilhões), com lucro de US$ 5,682 bilhões (R$ 11,2 bilhões), aumento de 15% em relação a 2011.  

continua após publicidade