Economia

FMI censura Estado por dados econômicos pouco confiáveis

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 1 de fevereiro (Folhapress) - O FMI censurou publicamente a Argentina hoje pela falta de precisão dos dados de inflação e crescimento econômico divulgados pelo governo do país. A declaração do fundo não tem efeitos imediatos, mas deixa o país mais próximo de sanções que incluem o fim do acesso a empréstimos da entidade -e, em último caso, pode levar à "saída compulsória" do membro. "O Comitê Executivo [do fundo] considerou o progresso da Argentina em implementar as medidas de correção não foram suficientes", diz o comunicado do FMI. A entidade explica que solicitou ao país índices mais confiáveis sobre seu PIB e sobre o Índice de Preços ao Consumidor da Grande Buenos Aires, que mede a inflação, publicado em setembro de 2012. O Documento exige que sejam tomadas providências antes de setembro de 2013. Segundo a Bloomberg, a Argentina se torna, assim, o primeiro país a ser criticado pelo FMI por índices econômicos oficiais pouco confiáveis. A Tchecoslováquia teria rompido com a instituição em 1984 pelo mesmo motivo, assim como Cuba, em 1964. Economistas e políticos colocam em dúvida estatísticas oficiais argentinas desde 2007, quando Nestor Kirchner (1950-2010), então presidente, interveio no serviço (Idec) e substituiu economistas de carreira na instituição. Seu governo e o de sua sucessora, sua viúva Cristina Kirchner, negam que o Idec manipule os dados. Os índices variam enormemente desde então. Em 2012, consultorias privadas afirmaram que a Argentina sofreu 25,6% de inflação; já o governo afirma que a alta foi de 10,8%.  

continua após publicidade