Economia

Crescimento deve ser menor em 2013

Da Redação ·





Por Julia Borba

BRASÍLIA, DF, 19 de dezembro (Folhapress) - Apesar da aposta do governo para retomada da economia em 2013, o Banco Central já prevê crescimento menor do crédito no ano que vem.

Enquanto a alta deve fechar em 16% neste, as projeções da autoridade monetária indicam que, em 2013, o crédito registrará crescimento de 14%.

O estímulo ao crédito é uma das ferramentas usadas pelo governo para incentivar o consumo e para aquecer o mercado.

Essa trajetória decrescente vem se confirmando ao longo dos anos, uma vez que, em 2010 o crescimento do crédito chegou a 21%, caindo para 19% em 2011.

Para o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, o resultado é "natural", uma vez que a base de comparação está aumentando.

"O crédito vem se expandindo junto com o PIB e essa relação crédito/PIB também vem aumentando. Isso mostra a importância do crédito como fator de estímulo à economia", completou.

A relação crédito/PIB deve subir de 53% para 55% ao final de 2013.

Para Maciel, o crescimento, ainda que menor do crédito no ano que vem, é "sustentável" e acompanha o crescimento da renda.

Os bancos públicos serão os principais a pisar no freio ano que vem. Apesar de liderarem a expansão do crédito, à frente dos privados nacionais e estrangeiros, as instituições financeiras públicas devem fazer menos empréstimos, saindo de um crescimento de 26%, previsto em 2012, e chegando a 18%, em 2013.

Os bancos privados nacionais devem emprestar um pouco mais que neste ano. A previsão de alta para 2012 é de 7% e 2013, de 10%.

Já os bancos privados estrangeiros devem ter crescimento de 11% neste ano e de 12% em 2013.
 

continua após publicidade