Economia

Infraestrutura para distribuir está no limite, diz Sindicom

Da Redação ·

Por Denise Luna RIO DE JANEIRO, RJ, 15 de dezembro (Folhapress) - A infraestrutura para levar combustíveis em algumas localidades do país está perto do limite, disse nesta semana o presidente do Sindicom (Sindicato Nacional dos Distribuidores e Combustíveis e Lubrificantes), Aluísio Vaz. Ele informou que apesar da indústria ter elevado para R$ 1 bilhão este ano os investimentos em infraestrutura, contra os R$ 300 milhões em 2009, o crescimento vigoroso do setor está levando a problemas pontuais de abastecimento, mas não há falta de combustíveis no país. "Estamos muito próximos do limite", disse Vaz, durante balanço do ano, quando a venda de combustíveis cresceu 6,3% em relação a 2011, ou 118 bilhões de litros, um faturamento de R$ 260 bilhões. Segundo ele, até o momento apenas no Amapá houve falta de combustíveis generalizada. "Nos demais Estados pode ter faltado em um posto ou outro, mas o consumidor sempre encontrava", explicou. Para atender o mercado estão sendo abertos mais postos, a frota de caminhões vem crescendo, disse Vaz, mas faltam obras estruturais como aumento dos portos, estradas e terminais. "Está se discutindo se o PIB [Produto Interno Bruto] vai crescer 1,5%, 1,4%. Aqui a discussão é de um crescimento de demanda de 20% de gasolina no Nordeste, é difícil manter o país abastecido com a mesma estrutura que se tinha há 20 anos", disse o executivo, lembrando que em três anos o mercado cresceu 30%. O consumo de gasolina no país disparou 12,2% no ano passado, sendo que alguns Estados tiveram altas em torno de 20%, como Mato Grosso (24%), Piauí (22%), Maranhão (20%) e Alagoas ( 20%). Vaz informou ainda que a Petrobras vem negociando o aumento dos estoques das distribuidoras, para não ter que aumentar os seus próprios, mas que a velocidade dessa medida dependerá de licenças ambientais, da ANP (Agência Nacional do Petróleo), bombeiros, entre outras. "Estamos discutindo, mas isso não vai acontecer em um estalar de dedos", avisou.  

continua após publicidade