Economia

G20 e FMI advertem sobre risco do "abismo fiscal"

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 5 de novembro (Folhapress) - O FMI (Fundo Monetário Internacional) e o G20 (grupo dos 20 países mais ricos) alertaram hoje os EUA para que tomem medidas rapidamente de modo a prevenir o chamado "abismo fiscal". Se o Congresso Nacional dos EUA não chegar a um acordo sobre o corte de US$ 600 bilhões dos gastos governamentais e o aumento de impostos a partir de 1º de janeiro, a economia americana pode estar ameaçada de voltar à recessão -o que atingiria todo o crescimento mundial. Trata-se de uma ameaça não só para os EUA, mas "também para a economia global dado o tamanho" do país, disse hoje a presidente do FMI, Christine Lagarde, na Cidade do México. O mesmo alerta foi feito pelos ministros dos 20 países mais desenvolvidos, que se reuniram ontem e hoje na capital mexicana. No comunicado oficial da reunião, as autoridades econômicas desses países ressaltaram os "riscos elevados" para o crescimento global. Entre eles, possíveis atrasos na implementação de medidas anticrise na Europa e a possibilidade de um brusco corte do gasto público nos EUA. Segundo o comunicado final da reunião, os EUA se comprometeram a evitar uma queda brusca das despesas do Estado, que possa afetar o crescimento mundial, também ameaçado por problemas orçamentários no Japão e por uma desaceleração em alguns mercados emergentes. "Os Estados Unidos calibrarão cuidadosamente o ritmo de ajuste fiscal para assegurar que as finanças públicas estão em um caminho sustentável no longo prazo, e evitar [assim] uma forte contração fiscal [ou do gasto] em 2013", disse o texto final, divulgado hoje. O secretário do Tesouro dos EUA, Tim Geithner, não assistiu ao encontro, que terminou a menos de 24 horas das eleições presidenciais de amanhã no país.  

continua após publicidade