Economia

Após ser comprada por R$ 10 bi, Amil faz oferta para fechar o capital

Da Redação ·

Por Marianna Aragão SÃO PAULO, SP, 30 de outubro (Folhapress) - Em uma segunda etapa do processo de compra da operadora de saúde Amil, a americana UnitedHealth vai realizar uma oferta pública de aquisição (OPA) das ações detidas por minoritários na empresa. O grupo UHG Brasil, que comprou 90% do capital da Amilpar no começo de outubro por R$ 9,95 bilhões, pediu à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) o registro da OPA ontem. Além de comprar os cerca de 30% do capital total da empresa nas mãos dos minoritários, a operação visa cancelar o registro de companhia aberta da Amil. Segundo o documento, durante a OPA, será dado aos minoritários "tratamento igualitário àquele dado aos antigos controladores da Amil". Isso significa que esses acionistas receberão por suas ações o mesmo valor pago aos donos da Amil, que transferiram cerca de 60% do capital da companhia à UnitedHealth em 26 de outubro. Essa é uma condição obrigatória para as empresas que fazem parte do Novo Mercado, como a Amil. O valor oferecido na OPA aos minoritários será corrigido pelo CDI e pela Selic, segundo prevê o documento enviado pela Amil à CVM. Rafael Frade, analista da Bradesco Corretora, afirma que as condições oferecidas pelo grupo americano aos minoritários --preço igual ao ofertado aos controladores e a correção monetária-- eram esperadas pelo mercado. "Eles poderiam ter criado uma estrutura diferente para o negócio que desviasse das regras do Novo Mercado, mas não fizeram isso." 1º trimestre de 2013 No total, a compra das ações dos minoritários irá movimentar cerca de R$ 3,6 bilhões. A previsão é que a operação ocorra no primeiro trimestre de 2013. Os fundadores da empresa brasileira, Edson Godoy de Bueno e sua ex-mulher Dulce Pugliese, e outros membros da administração receberam cerca de R$ 6,4 bilhões na transação. A ANS, órgão regulador do setor de saúde suplementar (privada), aprovou o negócio no dia 22.  

continua após publicidade