Economia

Setor público gasta R$ 13,844 bi com juros em setembro

Da Redação ·
O setor público consolidado gastou com juros reais R$ 13,844 bilhões em setembro, informou nesta terça-feira o Banco Central. Houve uma queda em relação ao gasto de R$ 19,118 bilhões registrado em agosto deste ano e em relação aos R$ 17,267 bilhões registrados em setembro de 2011. O Governo Central teve, no mês passado, um gasto com juros de R$ 4,805 bilhões. Já os governos regionais registraram uma despesa de R$ 8,827 bilhões e as empresas estatais tiveram gastos de R$ 212 milhões. No acumulado do ano, o gasto com juros do setor público consolidado soma R$ 161,424 bilhões, equivalentes a 4,96% do Produto Interno Bruto (PIB). Nos últimos 12 meses encerrados em setembro, a despesa chega a R$ 220,623 bilhões, ou 5,08% do PIB. Segundo o BC, o gasto com juros no ano está abaixo do verificado no mesmo período de 2011. Essa queda foi influenciada pela trajetória de queda da taxa Selic e pela menor variação do IPCA em 2012.

Dívida líquida


A dívida líquida do setor público ficou estável em 35,3% do PIB em setembro, repetindo o resultado de agosto. A dívida do governo central, governos regionais e empresas estatais terminou o mês passado em R$ 1,534 trilhão.


Na comparação com dezembro de 2011, a dívida líquida apresenta uma redução de 1,1 ponto porcentual do PIB. De acordo com o BC, o superávit primário no período contribuiu para essa redução com 1,7 pp do PIB, enquanto a expansão do PIB corrente ajudou a diminuir o endividamento também em 1,7 pp.


O BC revelou ainda que a desvalorização cambial de 8,3% registrada no ano teve impacto de 1,2 ponto porcentual na queda da relação dívida PIB. Em sentido contrário a apropriação de juros elevou o endividamento em 3,7 pontos porcentuais do PIB desde o começo do ano.


A dívida bruta do governo geral encerrou o mês passado em R$ 2,542 trilhões, número que representou 58,5% do PIB. Esse porcentual é maior do que os 57,7% de agosto e também mais elevado do que o registrado no final do ano passado, de 54,2%.

continua após publicidade