Economia

BC diz que alta de alimentos já dá sinais de esgotamento

Da Redação ·





Por Mariana Carneiro

SÃO PAULO, SP, 23 de outubro (Folhapress) - O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, afirmou hoje que a elevação súbita dos preços das commodities, que está afetando a inflação no Brasil, deve ser menos intensa do que o choque ocorrido entre 2010 e 2011.

"As evidências são de que este choque deve ser menos intenso e mais curto do que o de 2010 e 2011", afirmou.

Naquele período, lembra Tombini, os preços de mais commodities subiram de preço. Desta vez, nota o presidente do BC, o movimento de alta está circunscrito aos preços agrícolas, como grãos.

Tombini afirmou os impactos da aceleração destes preços já chegaram à inflação ao consumidor e que, daqui para frente, os impactos deverão ser menores.

Ele observou que os preços agrícolas no atacado já cederam na prévia do IGP-M. "A redução dos preços agrícolas já aponta moderação dos preços ao consumidor", afirmou.

Inflação sob controle

O presidente do BC afirmou que, além da volta dos preços dos alimentos, outros eventos vão ajudar a conter a inflação em 2013.

Tombini citou um reajuste mais moderado do salário mínimo (neste ano, o reajuste, já descontada a inflação, foi de 7,5% e, em 2013, deve ser de 2,7%) e a estabilidade na taxa de câmbio.
 

continua após publicidade