Economia

Remessa de lucro continua negativa no ano, mas recua

Da Redação ·
O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Túlio Maciel, salientou que, no acumulado do ano, o saldo de lucros e dividendos continua negativo, porém mais fraco do que de janeiro a setembro de 2011. Neste ano, o resultado está no vermelho em US$ 10,130 bilhões ante total negativo de US$ 19,842 bilhões visto em igual período de 2011. "Está bem pronunciada a queda de lucros e dividendos, mas há um recuo, que também se observa na conta de investimento em carteira", disse. Nessa mesma base de comparação, o saldo passou de US$ 8,179 bilhões para US$ 5,225 bilhões. O chefe de departamento disse que o resultado de lucros e dividendos, que está menor nos primeiros nove meses deste ano na comparação com igual período do ano passado, reflete três variáveis importantes. O primeiro é o dólar, que hoje está cotado levemente acima de R$ 2,00 e, em setembro do ano passado estava em R$ 1,75. O outro é a desaceleração da atividade brasileira no início deste ano na comparação com 2011 e o terceiro é que foi constatada uma elevação da entrada de receitas e lucros e dividendos, o que tem impacto sobre o saldo líquido. Maciel disse que o aumento das remessas de lucros e dividendos e das importações em outubro podem estar relacionados à retomada da atividade econômica brasileira. Maciel disse ainda que, em termos de financiamento, os resultados do setor externo mostram uma situação mais confortável neste semestre, devido à entrada expressiva de Investimento Estrangeiro Direto (IED) e às taxas de rolagens acima do que se via alguns meses atrás. Para Maciel, as condições mais favoráveis para rolagem de empréstimos no exterior é um fator que reflete o aumento da liquidez no mercado internacional provocado por ações recentes dos bancos centrais dos EUA, da zona do euro e do Japão. Ainda que de forma tímida, a remessa de recursos de imigrantes brasileiros que vivem nos Estados Unidos para o País foi a única a apresentar alta ao longo deste ano, de acordo com Maciel. Segundo ele, as receitas desse grupo somaram US$ 499 milhões de janeiro a setembro deste ano. Em igual período do ano passado, a entrada foi de US$ 437 milhões. Para o grupo dos demais países, a trajetória é de queda. Nos nove primeiros meses de 2012, foram US$ 997 milhões, menos que os US$ 1,066 bilhão do mesmo período de 2011. "Pode ser uma sinalização da melhora da economia nos Estados Unidos, mas precisaria de mais informações para assegurar isso. Neste momento, é um tanto arriscado fazer essa afirmação", considerou.
continua após publicidade