Economia

Alimentos ainda pressionam IPC-S em outubro

Da Redação ·
Apesar de o grupo alimentação registrar desaceleração de preços na terceira quadrissemana de outubro, dois itens dessa classe de despesa - arroz e batata inglesa - aparecem com os principais fatores de pressão de alta do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) d a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O preço do arroz subiu 9,42%, ante alta de 8,78% na segunda quadrissemana de outubro. Já a batata desacelerou entre os períodos, mas ainda registrou forte alta, de 11,90%, na terceira quadrissemana de outubro. Completam a lista dos principais itens de alta do IPC-S refeição em bares e restaurantes, que passou de 0,64% para 0,70%; tarifa de telefone móvel, de 1,65% para 1,68%; e aluguel residencial, com avanço de 0,63% para 0,66%. Itens do grupo alimentação também ajudaram a exercer pressão de baixa no indicador medido pela FGV entre a segunda e a terceira quadrissemanas de outubro. O tomate passou de queda de 18,77% para baixa de 19,14%. Cenoura foi de recuo de 15,36% para baixa de 19%. Pimentão reduziu a queda de 26,03% para 20,51%, entre os períodos e alface saiu de baixa de 5,41% para 4,40%. Além dos itens de alimentação, a tarifa de eletricidade residencial passou de alta para 0,13% para queda de 0,15% na terceira quadrissemana.
continua após publicidade