Economia

EUA: Vendas de moradias usadas crescem 7,8%

Da Redação ·
As vendas de moradias usadas nos Estados Unidos subiram bem acima das expectativas em agosto, em mais um sinal de que o setor imobiliário norte-americano continua se recuperando gradualmente. A alta foi de 7,8%, na comparação com julho, para a taxa anual sazonalmente ajustada de 4,82 milhões, segundo dados divulgados hoje pela Associação Nacional dos Corretores de Imóveis. Em comparação com agosto do ano passado, as vendas aumentaram 9,3%, no 14º mês seguido de alta anual. Economistas consultados pela Dow Jones previam uma elevação mensal consideravelmente menor nas vendas em agosto, de 2%, para 4,56 milhões. O preço médio de venda das moradias usadas subiu 9,5% em agosto, para US$ 187.400, em relação ao mesmo mês do ano passado. O estoque de moradias usadas à venda subiu 2,9%, para 2,47 milhões, em agosto e representou 6,1 meses de oferta no ritmo de vendas atual - uma taxa considerada saudável pelos economistas. Por regiões, houve alta de 8,6% nas vendas no Nordeste, de 8,3% no Oeste, de 7,7% no Meio-Oeste e de 7,3% no Sul. Enquanto isso, as construções de moradias iniciadas nos EUA cresceram 2,3% em agosto, na comparação com julho, para a taxa anual sazonalmente ajustada de 750 mil, informou o Departamento do Comércio. A construção de moradias para uma única família, que corresponderam a 71% das obras iniciadas no mês passado, aumentou 5,5%, para 535 mil unidades, o nível mais alto desde abril de 2010. Economistas consultados pela Dow Jones previam alta de 2,5% nas construções de moradias novas em agosto, para 765 mil unidades. O dado de julho foi revisado para a taxa de 733 mil, refletindo uma queda de 2,8% sobre junho. A quantidade de moradias para uma única família construídas em agosto subiu 27% em relação ao mesmo mês do ano passado. As casas para duas ou mais famílias, por outro lado, caíram 4,9% na comparação mensal. As construções de moradias iniciadas neste ano, embora acima das 478 mil registradas em abril de 2009, ainda estão abaixo da média histórica. As construtoras iniciaram obras para cerca de 1,5 milhão de casas por ano nos EUA desde 1959. O número de permissões para novas obras, que é uma indicação de futuras construções, caiu 1,0% em agosto, para o nível anualizado de 803 mil. Os economistas previam queda de 1,4%, para 800 mil. Por regiões, houve aumento de 20,7% nas construções de moradias novas no Meio Oeste e de 3,7% no Sul, enquanto no Nordeste houve queda de 12,6% e no Sul foi registrado -4,3%. As obras iniciadas reais, que são calculadas sem ajustes sazonais, diminuíram para 69,9 mil em agosto, de 70,2 mil em julho. Os mercados de madeira e commodities costumam observar esse dado como sinal de demanda. As informações são da Dow Jones.
continua após publicidade