Economia

Meirelles diz que liquidação do Cruzeiro do Sul não trará riscos

Da Redação ·





Por Mariana Carneiro

SÃO PAULO, SP, 14 de setembro (Folhapress) - O ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse hoje que o setor financeiro brasileiro "está sólido" e que a liquidação do Cruzeiro do Sul não provocará riscos ao sistema.

"O mercado brasileiro está bem posicionado e bem capitalizado. E tem condições de enfrentar esse tipo de problema e turbulência", afirmou.

Segundo Meirelles, a intervenção no Cruzeiro do Sul está de acordo com o acordo de Basileia, conjunto de regras internacionais estabelecidas pós-crise do setor bancário nos EUA em 2008.

"Uma das lições da crise e da reformulação das medidas de supervisão pelo comitê da Basileia é que é necessário que instituições com problema sejam liquidadas para que haja um bom funcionamento do mercado. Não se pode criar situações como o "moral hazard", disse Meirelles, referindo-se ao dilema de ajudar bancos em situação de crise com recursos públicos.

Ele afirmou que é importante que os investidores tenham consciência dos riscos, mas disse que o sistema financeiro não deve ser afetado. "O sistema brasileiro está sólido e não vejo grandes problemas estruturais", disse.

Ele afirmou ainda que não considera negativo que a solução não tenha sido feita via mercado (compra do banco por outra instituição, como chegou a ser tentado).

"Faz parte das regras do jogo. Existem soluções de mercado quando é viável, quando não é viável não deve haver", disse, após participar de evento organizado pela revista "Exame" em São Paulo.

O presidente da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), Murilo Portugal também não considera negativo o desfecho via liquidação. "Sair do negócio também é uma solução de mercado", disse.
 

continua após publicidade