Economia

Vale dos Vinhedos ganha denominação de origem do Inpi

Da Redação ·
Dez anos depois de terem se tornado os primeiros produtos brasileiros com Indicação Geográfica (IG) na modalidade Indicação de Procedência (IP), os vinhos e espumantes do Vale dos Vinhedos conquistaram também a Denominação de Origem (DO). O pedido, feito pela Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale), foi deferido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) na terça-feira (11), ao final de quase dois anos de análise. A DO está no topo da certificação de produtos como o vinho e dá garantia de qualidade do produto ao consumidor, de acordo com o presidente da Aprovale, Rogério Carlos Valduga. Para poder ostentar a DO em seus rótulos, os vinhos e espumantes terão de ser elaborados exclusivamente com uvas viníferas colhidas no Vale dos Vinhedos, uma área de 81 mil quilômetros quadrados localizada nos municípios de Bento Gonçalves, Garibaldi e Monte Belo do Sul, na serra do nordeste do Rio Grande do Sul. Além disso, o sistema de cultivo da uva deve ser exclusivamente em espaldeira, com produção limitada a dez toneladas por hectare para vinhos e 12 toneladas por hectare para espumantes. Os vinhos varietais da região são merlot (tinto) e chardonnay (branco), mas estão admitidas, como complementares, as uvas cabernet sauvignon, cabernet franc, tannat e riesling itálico. A Aprovale estima que a produção de vinhos da área aumentou cerca de 30% depois da IG, em 2002, chegando a volumes de 12 milhões a 14 milhões de garrafas por ano, e poderá saltar mais 10% com a DO.
continua após publicidade