Economia

Classe média sofre mais com defasagem de Imposto de Renda, diz estudo

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 3 de setembro (Folhapress) - Levantamento feito pela consultoria Ernst & Young Terco aponta a classe média como a que mais sofre com a defasagem na correção da tabela do IR (Imposto de Renda), que acumula variação de 34,17% de 1998 a 2011, de acordo com a companhia.

Segundo o estudo, um trabalhador que tinha como base de cálculo mensal para imposto de renda, em 1998, R$ 1.801, era tributado à alíquota de 27,5%. Com isso, pagava, mensalmente, R$ 135,28 de imposto.

Com os valores atualizados até 2011, de acordo com o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), esse mesmo trabalhador ganharia o equivalente a R$ 4.465,01 e pagaria de IR, mensalmente, R$ 471,35.

No entanto, se os valores da tabela tivessem sido corrigidos de acordo com a inflação do período, ele pagaria 44% a menos de Imposto de Renda em 2012, já que incidiria a alíquota de 22,5%: R$ 263,81.

"Percentualmente, o maior impacto da defasagem ocorre para quem tem a base de cálculo entre R$ 1,7 mil e R$ 4,1 mil. Acima disso, o impacto percentual é bastante reduzido. Quem ganhava R$ 40 mil, por exemplo, em 1998, teria menos de 1% de redução de imposto", diz Carlos Martins, sócio da área de Human Capital da Ernst & Young Terco.

Nos exemplos citados, considera-se como base de cálculo para imposto de renda o rendimento bruto, com desconto de INSS e deduções de dependentes.
 

continua após publicidade