Economia

Governo começa a testar internet gratuita

Da Redação ·
O governo quer que o setor privado ofereça internet gratuita para os usuários que acessarem os sites das empresas para fazer compras ou contratar serviços. Para isso, lançou nesta quinta-feira, em parceria com o governo do Distrito Federal, um projeto piloto de uso livre de banda larga. "Se muitos sites já oferecem frete grátis de seus produtos, por que não oferecer também a navegação?", questionou o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. Ele salientou que o serviço é inédito no mundo e funciona como as ligações telefônicas para 0800, em que a cobrança é feita ao portador do número de destino da chamada. Batizado de "BL 0800", o projeto tem como alvo o usuário do telefone pré-pago, que representa 82% da base de celulares do Brasil. Os sites que quiserem oferecer navegação livre a seus clientes terão a extensão no endereço de "0800.br". O nome do domínio, porém, ainda não está disponível para ser usado comercialmente, pois o governo ainda precisa estabelecer as regras dessa nova forma de uso da internet. O projeto BL 0800 entra em vigor sábado, na região administrativa de São Sebastião, em Brasília. Durante 15 dias, 80 pessoas pelo governo do Distrito Federal poderão acessar a página desenvolvida pelo governo, a bandalarga.0800.br, que vai apresentar notícias e informações de utilidade pública sem qualquer cobrança. Os escolhidos têm, segundo o governo, perfis diferentes, com diferenciação de escolaridade, idade e ocupação. Os 80 celulares que serão distribuídos para teste estão programados para não realizar cobrança quando estiverem no site do governo. A página pode ser acessada pelos demais internautas - que serão tarifados normalmente. "Ninguém ainda fez isso no mundo, o que não quer dizer que não possamos fazer", afirmou o ministro. Bernardo ressaltou que, com a nova lei de acesso à informação, o próprio governo tem a obrigação de oferecer navegação gratuita em seus sites. O ministro enfatizou, porém, que o objetivo principal do projeto é o setor privado. "Os bancos, por exemplo, têm condições de pagar pelo serviço. Aliás, eles preferem que a gente use apenas a internet e não vá até a agência para fazer filas nos caixas", observou. O ministro disse que não vislumbra a possibilidade de a oferta gratuita de navegação se tornar uma obrigação. Considerou, no entanto, que é uma forma de atrair clientes. "O 0800, como sabemos, está consagrado", comparou. O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, previu que até a Copa das Confederações, em junho de 2013, o projeto estará ampliado para todo o DF. O diretor executivo do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil), Eduardo Levy, também enfatizou o ineditismo do programa. "Isso não existe em nenhum lugar do mundo. É uma jabuticaba, e uma jabuticaba boa", avaliou.
continua após publicidade