Economia

Sindicato ameaça greve na GM de S. José dos Campos

Da Redação ·
Os 7.500 metalúrgicos da unidade da General Motors (GM) em São José dos Campos (SP) podem entrar em greve a partir de segunda-feira (16), afirmou nesta quinta-feira (12) o presidente do sindicato local, Antonio Ferreira de Barros. O anúncio de greve, protocolado hoje na companhia, ocorre após o impasse entre a GM e o Sindicato dos Metalúrgicos causado pela decisão da empresa de reduzir para apenas um turno a linha de produção dos modelos Zafira, Meriva, Corsa e Classic. Essa linha emprega 1.500 funcionários e pode ser fechada. Hoje a GM suspendeu a produção da Zafira, modelo que deve ser aposentado, juntamente com os outros três. Em contrapartida, a montadora iniciou a produção da Spin, substituta tanto da Zafira quanto da Meriva, na unidade de São Caetano do Sul (SP). A companhia alega que não houve acordo no passado para que a produção do novo modelo e de outros ocorresse em São José dos Campos, o que é negado pelo sindicalista. "Isso nunca ocorreu nas reuniões conosco", afirmou Barros. Um plano de demissão voluntária já cortou 356 metalúrgicos na linha de produção. Os metalúrgicos pararam a produção por duas horas na GM hoje pela manhã e seguem em estado de greve até segunda-feira. Durante a paralisação de hoje, deixaram de ser produzidos 146 carros e 300 motores. "Se não houver uma solução, tudo está encaminhado para a greve", afirmou o sindicalista. Em reunião ainda pela manhã com a GM e representantes do Ministério do Trabalho, os sindicalistas cobraram um ação do governo para resolver o impasse e ainda solicitaram a exclusão da montadora dos benefícios concedidos pelo governo, como a redução de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) até 31 de agosto. "Só no ano passado a unidade de São José dos Campos faturou R$ 8,5 bilhões, ou 35% de toda a receita da GM no País", disse Barros. "Além disso, a empresa é uma das maiores importadoras de veículos, embora pudesse fabricá-los aqui", protestou.
continua após publicidade