Economia

Soja potencializa exportações à China

Da Redação ·
China compra basicamente commodities, enquanto nos EUA manufaturados
fonte: Agêncial Estadual
China compra basicamente commodities, enquanto nos EUA manufaturados

A China deverá recuperar novamente a liderança como destino das exportações mensais do País nos próximos meses, após perder o posto para os Estados Unidos desde outubro do ano passado, segundo acredita o vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro.
 

continua após publicidade

Segundo ele, o mercado norte-americano não deverá acompanhar o aumento esperado de 11% para as vendas externas brasileiras este ano. Além disso, o executivo explica que a posição de líder da China nos resultados mensais das vendas externas, conquistada em abril de 2009, só foi perdida a partir do quarto trimestre do ano passado por causa da redução dos embarques de soja, que deverão ser retomados com mais força agora, quando sazonalmente aumentam as vendas externas do produto.
 

De acordo com Augusto de Castro, os números mostram claramente a "estagnação" no comércio entre Brasil e Estados Unidos desde o início do governo Lula. Segundo ele, enquanto em 2002, um ano antes do novo governo, os EUA eram destino de 25% das exportações do País, em 2009 a fatia tinha caído para 10%. Além disso, enquanto em 2009, em relação a 2002, as exportações totais do Brasil tinham aumentado 153%, as vendas com destino aos EUA subiram apenas 1,5%.
 

continua após publicidade

Segundo Augusto de Castro, como "nada mudou" em relação às promoções comerciais do Brasil para os Estados Unidos nos últimos meses e prossegue, ainda que em escala mais branda, a crise econômica que ainda assombra a economia americana, a China vai retomar logo o posto de líder como destino das nossas vendas externas, como ocorreu entre abril e setembro do ano passado e no acumulado de 2009.
 

Ele lamenta que, segundo a sua avaliação, o governo brasileiro não esteja investindo em promoções comerciais junto ao mercado dos EUA que, de acordo com ele, acumula cerca de US$ 2 trilhões anuais em importações. "É um super mercado. A China compra basicamente nossas commodities, enquanto nos Estados Unidos haveria mais oportunidades para manufaturados, se houvesse maior manifestação de interesse em elevar o comércio com o país", afirmou.
 

Segundo ele, com o câmbio atual, as empresas brasileiras produtoras de manufaturados estão sem condições de competir com os produtos chineses no mercado americano. Augusto de Castro ressalta que, além da perda de espaço nos Estados Unidos, o Brasil está também mudando a pauta de exportações para aquele destino, de manufaturados para commodities.
 

continua após publicidade

No primeiro bimestre de 2010, os principais produtos exportados para os Estados Unidos foram petróleo, café, ferro, calçados e partes de motores de automóveis. No caso da China, a lista inclui minério de ferro, petróleo, soja, óleo de soja e ferro-liga, entre outros.
 

Para se ter uma ideia do potencial de crescimento da participação chinesa no total das exportações brasileiras nos próximos meses, basta saber que, enquanto no primeiro bimestre deste ano as vendas de soja em direção aquele país totalizaram, em valor, US$ 95,5 bilhões, em abril de 2009, por exemplo, quando o País tomou a dianteira no destino das vendas externas do Brasil, totalizavam dez vezes mais, ou US$ 961 milhões.