Economia

Grana emprestada para a casa própria é a maior em 44 anos

Da Redação ·
Grana emprestada para a casa própria é a maior em 44 anos
fonte: Arquivo/imagem ilustrativa
Grana emprestada para a casa própria é a maior em 44 anos

Nunca houve tanto dinheiro emprestado para a casa própria. Entre janeiro e junho deste ano, foram emprestados mais de R$ 37 bilhões para construir casas e apartamentos no país, segundo dados da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança). O valor é o maior desde 1967, quando começou a ser feita a pesquisa.

continua após publicidade

O número representa um crescimento de 55% em relação ao que foi emprestado no primeiro semestre do ano passado e aponta para um dado ainda mais interessante: o de que 2011 será o melhor ano da história para o crédito imobiliário no Brasil.

Em 2010 todo, foram concedidos R$ 56 bilhões de crédito para construir 421,4 mil imóveis no ano como um todo. Nos primeiros seis meses deste ano, foram fechados 236,5 mil contratos, uma alta de 26% ante o mesmo período do ano passado.

continua após publicidade

Na comparação com o segundo semestre de 2010, os dados do começo de 2011 também são positivos: houve alta de 14% em cima do volume emprestado de julho a dezembro. O dado é bom tendo em vista que o segundo semestre, no mercado imobiliário brasileiro, é sempre melhor porque concentra mais vendas e lançamentos do que o começo do ano.

Apenas no mês de junho, as operações de financiamento somaram R$ 7,78 bilhões, com acréscimo de 48% em relação a um ano antes, com 46,5 mil imóveis financiados.

Em junho, as cadernetas de poupança registraram uma captação líquida de R$ 1,2 bilhão, após dois meses consecutivos de resgates em termos líquidos. Foi o melhor resultado do ano para a aplicação, num cenário de forte competição entre ativos financeiros, derivados de aumentos na taxa Selic, de acordo com a entidade.

Os saldos das cadernetas de poupança aumentaram R$ 3 bilhões entre maio e junho, atingindo R$ 309,9 bilhões, indicando acréscimo de 15% em termos nominais em relação ao saldo de junho de 2010.