Economia

Obama assina acordo que evita calote dos EUA

Da Redação ·
Obama assina acordo que evita calote dos EUA
fonte: Arquivo
Obama assina acordo que evita calote dos EUA

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, assinou nesta terça-feira (2) o acordo bipartidário que permite a elevação do teto de dívida do país e que foi aprovado horas antes pelo Senado americano por 74 votos a favor e 26 contra.

continua após publicidade

A sanção presidencial – que faz com que a medida passe a valer – põe fim à crise da dívida que ameaçava os EUA com o risco de calote por meio de um plano que garante a redução do déficit em R$ 3,3 trilhões (US$ 2,1 trilhões) na próxima década.

- É um primeiro passo importante para que, como nação, vivamos de acordo com nossos meios.

continua após publicidade

Obama assinou a medida no dia em que terminaria o prazo estipulado pelo Departamento do Tesouro americano para que os EUA atingissem o teto da dívida pública e, portanto, a partir de então o país ficaria sem verbas para honrar suas obrigações financeiras.

O acordo, referendado tanto pelos democratas quanto pela oposição republicana, prevê um corte de gastos na ordem de US$ 2,4 trilhões (R$ 3,7 trilhões). Para melhorar o orçamento do país, o governo terá de cortar gastos enquanto aumenta a arrecadação. O grande embate era em que o governo passaria a economizar.

Os democratas queriam impostos maiores aos ricos, ao mesmo tempo em que protegeriam programas sociais de saúde e educação, por exemplo. Os republicanos pediam cortes em todas as áreas, inclusive nas sociais – o que faria Obama mais impopular. Um novo projeto deve ocorrer no ano que vem.

continua após publicidade

Calote global

Os países que têm grana para receber dos Estados Unidos também sofreriam um calote - o Brasil se inclui nesse grupo.

Por aqui, uma nova crise criada por esse default bateria em duas frentes: nas contas do governo brasileiro e nas vendas de produtos para outros países. Se o limite da dívida não fosse alterado, haveria um calote e os títulos perderiam sua liquidez, isto é, não poderiam ser trocados por dinheiro vivo caso os donos desses papéis precisassem.

continua após publicidade

E isso afeta diretamente a confiança dos mercados, segundo o economista Evaldo Alves, professor de economia internacional da FGV (Fundação Getulio Vargas).

- Todo esse esforço é para eles não submergirem. O importante para o Brasil é o seguinte: temos uma ligação com os EUA porque exportamos para eles. Somos o nono parceiro dos EUA, com exportações de US$ 78 bi em matérias-primas. Se economia naufraga, cairíamos também, porque o Brasil tem sua economia externa baseada na venda de commodities [matérias-primas básicas].

Dos US$ 14,3 trilhões, US$ 4,6 trilhões estão nas mãos do próprio governo, emprestados de fundos de pensão (seguridade social e aposentadoria). Os US$ 9,7 trilhões restantes são títulos do Tesouro nas mãos de empresas, bancos e governos estrangeiros ou não.

A China é dona de US$ 1,16 trilhão dessa dívida. Em seguida vêm Japão, Reino Unido e gigantes exportadores de petróleo (alguns membros da Opep). O Brasil é o quinto maior dono desses títulos, com US$ 211,4 bilhões.