Cotidiano

Veja quem são os bebês vítimas de ataque a creche em SC

Crianças assassinadas tinham menos de 2 anos de idade

Da Redação ·
Além das crianças, duas funcionárias da creche foram mortas.
fonte: Reprodução / Redes sociais
Além das crianças, duas funcionárias da creche foram mortas.

A polícia confirmou os nomes das crianças assassinadas na manhã desta terça-feira (4) em Saudades, no Oeste catarinense, durante um ataque a uma escola de educação infantil. Foram mortos os alunos Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses, Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses e Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses.

continua após publicidade

Outra criança, de 1 ano e 8 meses, também ficou ferida e precisou passar por cirurgia.

Além das crianças, a professora Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos e Mirla Amanda Renner Costa, de 20 anos, agente educacional na escola, também foram assassinadas.

continua após publicidade

 

 Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos e Mirla Amanda Renner Costa, de 20 anos fonte: Reprodução / Redes sociais
Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos e Mirla Amanda Renner Costa, de 20 anos

A professora Keli trabalhava na creche havia cerca de 10 anos, conforme Silvane Elfel, prima dela, confirmou ao G1. "Ela era uma pessoa alegre, sempre disposta, simpática, carismática sempre, ajudando o próximo quando ela podia. Então, assim, é uma tristeza que eu não sei explicar, eu não tenho explicação para isso", disse a prima da professora.

A outra funcionária morta era estudante da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). Mirla cursava o quarto semestre da graduação em engenharia química no Centro de Educação Superior do Oeste, em Pinhalzinho, cidade vizinha a Saudades.

continua após publicidade

A universidade decretou luto de três dias por causa da morte dela. Segundo a instituição, Mirla já trabalhava na creche antes de entrar para a faculdade. Conforme a nota da Udesc, Mirla era “muito querida pelos alunos da turma de engenharia química”.

De acordo com o assessor jurídico de Saudades, Luiz Fernando Kreutz, Mirla chegou a ser levada ao hospital, mas não resistiu.

Com informações G1 SC.