Cotidiano

Vacinação de crianças contra Covid pode começar em janeiro

O Ministério da Saúde disse que é favorável à aplicação de vacinas em crianças

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Vacinação de crianças contra Covid pode começar em janeiro
fonte: Thinkstock

A vacinação de crianças, de 5 a 11 anos, contra a Covid-19 pode começar ainda em janeiro, segundo o Ministério da Saúde. A pasta divulgou uma nota nesta segunda-feira (27), alegando ser favorável à aplicação de vacinas neste público. 

continua após publicidade

Porém, a decisão foi tomada após uma consulta pública. O ministério destacou que está "ouvindo a sociedade", sendo assim, a previsão da imunização deste grupo estará mantida caso o posicionamento não mude na conclusão do processo. 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou no dia 16 a aplicação da vacina da Pfizer contra Covid-19 em crianças de 5 a 11 anos

continua após publicidade

Vacina é segura

Uma nota técnica assinada pela secretária extraordinária de enfrentamento à Covid-19, Rosana Leite de Melo, e enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF), afirma que a vacina contra Covid para crianças de 5 a 11 anos é segura.

A posição da secretária subordinada ao ministro Marcelo Queiroga vai na contramão dos questionamentos do presidente Jair Bolsonaro (PL), que diz haver "desconfiança" e uma "interrogação enorme" em relação a supostos efeitos colaterais da aplicação de vacinas contra a Covid em crianças.

continua após publicidade

"Antes de recomendar a vacinação [contra a] Covid-19 para crianças, os cientistas realizaram testes clínicos com milhares de crianças e nenhuma preocupação séria de segurança foi identificada", diz Melo na nota técnica.

A secretária diz ainda que a análise técnica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é feita de "forma rigorosa e com toda a cautela necessária".

"As vacinas [contra a] Covid-19 estão sendo monitoradas quanto à segurança com o programa de monitoramento de segurança mais abrangente e intenso da história do Brasil", diz o documento.

Com informações do g1.