Cotidiano

USP: uma dose é insuficiente para conter variante Delta

Conforme uma projeção feita pela USP e pela Unesp, nas próximas semanas deve haver um aumento de casos da Covid-19, por conta do avanço da variante Delta

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia USP: uma dose é insuficiente para conter variante Delta
fonte: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
USP: uma dose é insuficiente para conter variante Delta

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) fizeram um projeção, por meio do Infotracker, sobre os dados da Covid-19. De acordo com a análise, muitos casos da doença devem ser registrados nos próximos dias, por conta do avanço da variante Delta

continua após publicidade

Segundo o professor da Unesp e coordenador da plataforma, Wallace Casaca, é “muito perigoso as pessoas se manterem com uma só dose da vacina com a chegada da Delta”. Wallace destaca que o Brasil acelerou a campanha de vacinação nos últimos dias, porém, apenas uma pequena parte da população contém o esquema de imunização completo, ou seja, receberam as duas doses da vacina. 

Conforme a projeção, no fim de setembro, a capital paulista terá um aumento de casos por conta da nova cepa. Atualmente, o estado de São Paulo possui 231 registros da nova mutação, de acordo com dados do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE), sendo 171 apenas na capital.

continua após publicidade

No Rio, no estado e na capital, a situação é mais delicada: a Delta já é predominante. Na última sexta-feira (20/8), o prefeito Eduardo Paes disse que nunca antes a cidade registrou uma taxa de contágio tão grande.

“Estamos, neste momento, com um pico de casos de Covid na cidade do Rio de Janeiro em todo o ano de 2021. Traduzindo aqui, nunca antes, no ano de 2021, nós tivemos tantas pessoas com Covid na cidade como neste momento agora”, falou.

O coordenador do Infotracker diz que o Rio de Janeiro já se encontra em fase de atenção, e os números devem piorar em breve. “As internações provavelmente vão continuar aumentando, lembrando que o Rio tem ocupação de leitos de UTI de mais de 90%. Está bastante saturado o sistema de saúde. Os óbitos ainda não começaram a subir, mas isso deve ocorrer por um reflexo das internações”, avalia.

continua após publicidade

Imunizantes

A maioria das vacinas contra o novo coronavírus são aplicadas em duas doses, exceto o imunizante da Janssen, que é ministrado em dose única. Apenas uma dose dos imunizantes não é capaz de conter a Covid-19 completamente. Os dados de cidades como Londres e Nova York mostram uma explosão de casos com a chegada da variante Delta, mas os óbitos e internações não cresceram no mesmo ritmo.

Pesquisas estão sendo realizadas para apurar o grau de eficácia das vacinas contra a variante Delta, oriunda da Índia. A nova cepa é mais transmissível. 

continua após publicidade

Análise feita pela Universidade de Oxford explicou que as vacinas da Pfizer e da Astrazeneca, quando aplicadas as duas doses, são eficazes contra a variante, mas que a proteção é reduzida com o tempo.

Em relação à Pfizer, a eficácia foi de 94% contra a Delta 14 dias após a segunda aplicação. Mas ela caiu com o passar do tempo, chegando a 90%, 85% e 78%, após 30, 60 e 90 dias, respectivamente. Já a AstraZeneca, 14 dias após a aplicação da segunda dose, apresentou eficácia de 69% contra a variante, mas o número baixou a 61% após 90 dias.

Quando se trata de apenas uma dose, ainda não há evidências conclusivas, mas estima-se haver uma eficácia de apenas 30% da Pfizer contra a Delta com apenas uma aplicação.

Com informações; Metrópoles.